As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fome

Luiz Carlos Merten

16 de abril de 2013 | 10h57

Gosto de Tata Amaral e acho que seus filmes são bons até quando não ruins. Céu de Estrelas, Através da Janela, Antônia, O Rei do Carimã (que é o filme recente dela de que mais gosto). Tinha grande expectativa por Hoje, que venceu o Festival de Brasília de 2011, até porque fui – Tata sempre me lembra isso – o primeiro jornalista a visitar o set e escrever sobre essa visita. Fui ontem à pré-estreia do filme. Achei interessante, mas não posso dizer que gostei. Achei a narrativa muito esquisita. Tata conta a história dessa mulher que comprou um velho apartamento no Centro de São Paulo com o dinheiro da indenização pela morte do companheiro durante a ditadura militar. Gosto dos detalhes que são tão realistas quanto simbólicos – uma porta não abre, a torneira está estragada. E com os operários que fazem a mudança dentro da casa (ecos de Tudo Bem, de Arnaldo Jabor). Vera/Ana Maria (Denise Fraga) percebe a presença do ex-companheiro, que volta para um ajuste de contas. A narrativa, em bloco, não faz distinção enmtre realidade e fantasia (ou alucinação). E tudo converge para a justificativa do título – Hoje –, que é realmente um momento forte (e emocionante).  Mas eu fiquei empacado nesse realismo que nivela tudo. Impliquei com a boquinha que César Troncoso (o companheiro, Luís) fica fazendo o tempo todo. E também não sei se entendi o conceito. Todo mundo se queixa de que os torturadores não foram presos no País e que, ao contrário da Argentina, que exumou seus porões durante a ditadura, a Comissão da Verdade até hoje enfrenta resistências no Brasil. A questão do dinheiro, que está no filme, é relevante. É como se o Brasil, que nivelou todo mundo com a anistia, quisesse dizer a seus ex-perseguidos e torturados que peguem esse dinheiro, refaçam suas vidas, acabou. No filme de Tata, o passado volta para cobrar. Não como em Ação entre Amigos, quando eu ainda gostava de Beto Brant – revi duas ou três vezes seguidas no Canal Brasil Os Matadores e é muito bom –, sobre os amigos que se unem para se vingar do torturador. Em Hoje, o acerto não é com a ditadura, é interno, com o ‘companheiro’, que banca o opressor e, pelo menos num momento, ameaça a ex-mulher. Denise Fraga precisa matar César Troncoso no imaginário para seguir em frente. Entendo perfeitamente a psicanálise, acho a cena linda – o cachorro, puro instinto, invadindo a casa, impulsionando a dona para a rua, fora das quatro paredes –, mas terminei achando tudo esquemático demais. Talvez precise decantar mais o filme, que tanta sensação vem provocando desde Brasília, mas fiquei, como dizem os franceses, sur ma faim. Faminto pelo filme que vislumbrei, mas não encontrei.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: