As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fim de festa

Luiz Carlos Merten

24 de abril de 2013 | 00h57

CANCUN – Cada vez me convenco msais de que o evento de cinema imperdivel no Brasil eh a Mostra de Tiradentes. OK, temos o Festival do Rio, que adoro, a Mostra de Sao Paulo, mas eh em Tiradentes, na mostra das meninas da Universo, que se veh o novissimo cinema brasileiro. E eh um evento que repercute. Em, Tiradentes vimos, ou vi, pela primeira vez, Patio, de Aly Muritiba, que foi premiado no Eh Tudo Verdade e foi confirmado, ontem ou anteontem, na Semana da Critica do Festival de Cannes. Agora, eh outro curta que vi em Minas, Hah Pouco Mais de Um Mes, de André Novais de Oliveira, que vai estar na Quinzena dos Realizadores. O proprio diretor faz o protagonista masculino – eh sobre um casal que se indaga se a relacao deles vai dar certo. Viva Tiradentes, e mesmo que nao seja na competicao, o Brasil terah seus representantes no maior festival do mundo. Ca estou na minha ultima noite do Summer of Sony de 2013. Amanhah regresso ao Brasil, chego na madrugada de quinta e na sexta jah voo para o Recife. Estou utilizando os computadores do evento da Sony, que amanhah jah estarao desligados. A situacao eh bizarra. Lah fora, na praia do Ritz Carlton, rola a festa de After Earth. Will Smith e o filho, Jaden, passaram por aqui e o garoto revelou seu lado rapper, talvez seguindo o pai, que comecou na industria fonografica, antes de virar astro de cinema. Ocorreu uma coisa curiosa. Estava no computador, fazendo uma material para o Caderno 2, vi um tumulto atras de mim e era o Will, que parou, a caminho da festa do filme, para ver o que eu digitava tao furiosamente. Posso nao ter feito a M. Night Shyamalan as perguntas que queria nas round tables, mas ocorreu, vejam soh, de estar na pista de danca com ele, depois que os Smiths foram embora. Um dia conto para voces. A familia me cansou. Will talvez nem tenha nocao mas estah educando o filho para ser um monstro. E o guri eh meio megalo, como o pai. Fala nas suas musicas e poesias como se fosse Rimbaud. Havia me emocionado com eles na noite anterior. Hoje (ontem para voces) queria distancia. O horror, o horror.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: