As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Filmes, filmes, filmes

Luiz Carlos Merten

18 de março de 2020 | 21h45

Estou de volta aos meus tempos de hospital, ao isolamento pós-cirúrgico. Sozinho em casa, vejo TV o dia inteiro. Estou adorando a cobertura da Globo, que praticamente excluiu o presidente de sua programação preventiva. O cara que dizia que a imprensa criava histeria e superdimensionava a pandemia agora anda de máscara. Brasil, como diria Cazuza, mostra tua cara. Tenho visto muitos filmes, lido. Na segunda à noite, revi O Exterminador do Futuro – Genesys. Nem me lembrava direito do filme de Alan Taylor, mas adorei a dupla formada por Emilia ‘Game of Thrones’ Clarke e Jai ‘Duro de Matar – Um Bom Dia para Morrer’ Courtnay. Na trama do filme, John Connor revela-se um T-3000 a serviço da organização paramilitar que quer assumir o controle da Terra. Ao saber que o contato íntimo – o acasalamento, como cobra O Terminator/Schwarzenegger – com Jai estará criando esse monstro, Sarah Connor/Emilia resiste quanto pode ao romance. No final, dá tudo certo – alguma dúvida? – e eu confesso que, posso ser piegas, mas me emocionei com Emilia e Courtnay. Nunca vi o Game nem Spartacus, a série que deu projeção ao ator, mas gostei dele como filho de John Clane/Bruce Willis e dela em outro romance, com Sam Claflin, em Como Eu Era Antes de Você. Emilia e Courtnay formam no filme o protótipo do novo casal, o bom homem consciente da própria virilidade, que não teme a mulher empoderada. Vi também, ontem à noite, A Vingança Está na Moda. Como a velha senhora de Durrenmatt, Kate Winslett volta à pequena cidade da qual foi expulsa, acusada de assassinato. Virou objeto de ódio, chamada de bruxa. É criadora de moda, e usa o fato – veja-se o título – para se vingar. Não fazia a menor ideia do filme que estava vendo, mas gostei – 1) de Kate; 2) da cena em que ela tira as medidas de Liam Hemsworth; ele tirou a roupa, ficou de cueca; ela mede pescoço, peitoral, cintura, ajoelha-se; há uma carga erótica intensa, sem nenhuma sugestão de vulgaridade. No final, surpreendi-me – o filme é dirigido por Jocelyn Moorhouse. Quem? Há quase 30 anos, em 1991, ela dirigiu A Prova, com Hugo Weaving, sobre um fotógrafo cego que consegue descobrir as verdades e mentiras (a alma?) de quem fotografa. Weaving está de volta em A Vingança Está na Moda, e a diretora, numa espécie de private joke, o veste de mulher numa cena. Ele foi uma das drag queens de Priscilla, A Rainha do Deserto, em 1994.

Tendências: