As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Festival do Rio (11)

Luiz Carlos Merten

10 de outubro de 2014 | 10h36

Tem uma cabine de Relatos Salvajes daqui a pouco, na Mostra. É o filme que vai abrir o evento para convidados na quarta-feira, 15. Já vi em Cannes e até me diverti com o episódio de Ricardo Darín – o filme é em esquetes -, mas estou pensando se revejo ou se vou diretamente fazer os óculos. Perdi de novo. Sou o rei de esquecer óculos em táxis e, quando o motorista é conhecido, ele devolve, mas havia pegado o táxi no aeroporto, no domingo, quando fiz um bate/volta, vindo do Rio para votar (e voltei correndo). Não quero ser ofensivo com ninguém, até porque o júri do Rio, presidido por Karin Ainouz, é integrado por gente a quem admiro – Marcos Bernstein, Malu Mader -, mas eles foram muito destrambelhados. Ainda bem que existe o público. Começo assim minha matéria de hoje no Estado. Se não fosse por ele, a melhor ficção do festival – Casa Grande, de Fellipe Barbosa – teria passado batida. É curioso, sendo Karin o presidente – em Berlim, em fevereiro, torcia pelo filme dele, Praia do Futuro. Wagner Moura estava nas plateias e não é muito frequente que não premiados compareçam ao encerramento, só para ver os outros ganharem. A premiação esgotava-se, e nada de prêmio para Praia da Futuro. O que eu teria dado – o Alfred Bauer, para filmes inovadores – foi para Alain Resnais, Amar,Beber, Cantar! Agora, de novo, o tempo escoava-se e nada de minhas apostas. Um Chico Teixeira aqui, um Gregorio Graziosi ali, o prêmio de documentário para Theresa Jessouroun, mas no geral, alguns prêmios absurdos, que não tinham nada a ver. Fiquei pasmo. Já fui jurado e sei como é difícil. Algumas vezes consegui, com diálogo e persuasão, impor meus favoritos. Com os Dardenne, na Caméra d’Or, não houve jeito. Por conta disso, prefiro permanecer jornalista. Nada mais de júris. Já declinei o recente de Brasília, obrigado. Ia até conferir, só para fortalecimento de minha convicção,. se Deborah Secco ganhou o prêmio de melhor atriz em Paulínia, por Boa Sorte. Aliás, Sangue Azul, que venceu o Redentor, ganhou prêmios muito secundários em Paulínia. Essa coisa de melhor é realmente relativa. Vi quarta-feira o filme de Carolina Jabor no Rio e fiquei chapado com a Deborah e o garoto João Pedro Zappa. Era uma sessão fechada, a mãe dele estava presente. O filho aniversariava naquele dia. Talentoso, esse Zappa. Parabéns! (Não só pelo aniversário.) Quanto a Deborah, se o cinema, como dizia Nicholas Ray, é a melodia do olhar, ela, com aqueles olhos, já chega com metade das personagens construídas. Depois de Bette Davis eyes, Deborah Secco eyes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: