As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fela, pelo olhar do amigo Carlos, no ETV

Luiz Carlos Merten

07 de abril de 2019 | 11h46

Não creio que consiga ir à sessão para rever Meu Amigo Fela, hoje no ETV, mas gostaria. Assisti ao filme nas cabines do festival de documentários e creio que Joel Zito Araújo leva jeito de incendiar a plateia do IMS com sua homenagem a Marielle Franco. Aguardem para ver. Confesso que sabia da existência de Fela Kuti, e não muito mais. Era multimúsico, tinha 27 mulheres, foi precursor do afrobeat e morreu de complicações causadas por aids. O documentário de Joel Zito revela o personagem complexo que ele foi, mas por meio de outro, para mim mais secreto ainda, e desse eu não sabia nem da existência. (Fui pesquisar e descobri que escreveu o prefácio do livro de Rosa Aparecida do Couto Silva, Contracultura e (Contra)dição na Música Popular Africana.) O historiador cubano de cultura negra Carlos Moore é o amigo de Fela que conta sua história e a dos movimentos negros – nos EUA, na África. Moore esteve ao lado não apenas de Fela, mas de Malcolm X, dos Panteras Negras. O grande momento do filme, para mim, é o reencontro de Moore com a militante feminista Sandra Iszadore, que foi decisiva na (r)evolução pessoal de Fela. O filme possui um riquíssimo material de época que dá conta da luta dos negros por direitos, na ‘América’, e contra o colonialismo, na África. As duas lutas unem-se, e Moore e Fela transitaram por ambas. Nesses tempos de #MeToo, acho que pode causar certa polêmica o fato de Fela ter tido todas aquelas mulheres, mas o filme não fica no registro folclórico. O músico defendia o pan-africanismo, passou a ser perseguido na Nigéria. Foi preso, teve as casas invadidas, as mulheres foram estupradas. Tenho o maior respeito por Joel Zito Araújo, que também é um ativista do movimento negro brasileiro. Meu Amigo Fela lhe permite abordar a política e a música (a arte) como veículos de conscientização e de luta, tudo o que não querem esses governos que, no estado e no País, só querem promover o desmanche cultural. Nesse contexto, a luta chega a Marielle. Presente! Meu Amigo Fela concorre na competição internacional.

Tendências: