As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Eta cara que me cansa

Luiz Carlos Merten

21 de abril de 2013 | 14h29

CANCUN – Ando meio exasperado por soh ver cenas de filmes – e trailers – aqui no Summer of Sony. Algumas coisas tem me deixado num grau maluco de excitacao, louco para ver Elysium, de Neill Blomkamp – e a entrevista com o director soh aumentou esse desejo – e tambem After Earth, o novo M. Night Shyamalan, com Will Smith e seu filho, Jared. Mas outras coisas confesso que me aborrecem. Se hah um sujeito no mundo que me aborrece eh George Clooney. Sei que tem gente que o adora, e eu ateh gosto de seus filmes – os que dirige -, mas deve ser insuportavel ser George Clooney, ou conviver com George Clooney. Essa necessidade de fazer piada sempre, que deve ser uma fachada de autoprotecao, mas Deus, esse cara nao se cansa de ser gay (alegre) 24 horas por dia? Mesmo falando de seus filmes, ele nao consegue dizer nada serio. Tudo vira frase-feita, humor. Me pergunto sempre em que momento ele tira a mascara? George Clooney estah dirigindo um novo filme, The Monuments Men, sobre o esforco de um pelotao norteamericano para resgatar as obras de arte que os nazistas saquearam e o maluco do Hitler queria destruir. Pablo Picasso e Salvador Dali, soh para citar dois exemplos, eram `degenerados`, segundo o fuhrer. Olha quem fala, chapeuzinho. George Clooney estah cada vez mais parecido com Clark Gable – virou Clark Gable, como o Faustao ficou igualzinho a Peter Lorre e poderia fazer o papel numa presumivel cinebiografia do cultuado ator de Reliquia Macabra/The Maltese Falcon, de John Huston, e Casablanca, de Michael Curtiz. Tudo bem, admito que tenho certa mah vontade com George Clooney, mas nao com seus filmes. Mesmo assim, me irritei com o parceiro dele, o roteirista Grant Heslov, que disse que o filme nasceu do desejo deles de contar uma historia nunca abordada pelo cinema. Como assim, cara palida? Em 1964, Arthur Penn comecou a dirigir O Trem, com Burt Lancaster, mas foi substituido por um homem de confianca do astro/produtor, John Frankenheimer. Penn estava levando o filme numa direcao e Lancaster nao estava muito satisfeito. Com Frankenheimer, O Trem virou uma mistura de O Expresso de Von Ryan, de Mark Robson (com Frank Sinatra), e Os Doze Condenados, de Robert Aldrich. Muita acao – Penn carregava mais na questao cultural, no esforco da Resistencia para salvar  milhares de anos de arte e cultura das garras dos nazistas. Isto posto, quero dizer que estou muito curioso em relacao a The Monuments Men. Embora a historia nao seja tao inedita assim – no cinema -, existem livros sobre o assunto, e sao fascinantes. Ateh hoje travam-se batalhas surdas, e nem tao surdas assim, sobre o espolio de obras que os nazistas roubaram de museus e colecoes particulares. Espero, sinceramente, que George Clooney acerte o tom. Como Clooney `The Entertainer`, decline. Podem ficar com ele inteiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: