Estarei sendo indulgente?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estarei sendo indulgente?

Luiz Carlos Merten

07 de fevereiro de 2014 | 15h41

BERLIM – Não sei se estou sendo indulgente ou se a Berlinale começou mesmo bem, mas depois do Wes Anderson, o melhor do diretor para mim, e do filme inglês sobre o IRA, tivemos hoje o primeiro dos quatro alemães da competição. A Alemanha, que, afinal, é dona da casa, tem sempre uma seleção numerosa, mas não necessariamente forte. Em comentários de bastidores, ouvi que este ano os alemães estarão arrebentando e, a se julgar por Jack,. de Edward Berger, vão mesmo. O cinema já contou tantas histórias de crianças carentes e/ou abandonadas que a gente começa a ficar cínico. Acha que já viu tudo, e aí vem um filme como Jack, para nos mostrar que não é bem assim. Jack é um garoto que se sente responsável pelo irmão caçula. A mãe não é drogada, tem trabalho, casa e até dá carinho para os dois. Mas ela é jovem e, ao contrário de Jack, irresponsável. Cai no mundo em companhia do amante da vez. Quer ser feliz, divertir-se e nessas horas esquece dos filhos. Jack, que foi enviado para um albergue, decepciona-se quando ela não vem buscá-lo, como pr0meteu. Provocado, comete um ato de violência e foge, mas antes pega o irmão. Partem os dois nessa odisseia, em busca da mãe omissa. Quando a encontram, passam momentos idílicos, mas a mãe, de novo, está preocupada com ela mesma e Jack, que sempre a defendeu… Não vou dizer o que ele faz, mas quando o filme passar no Brasil, seja na Mostra ou no circuito comercial, vocês vão ver como é forte. O ator que faz Jack, Ivo Pietzcker, é estreante. É maravilhoso. Não sei se ele se imbuiu da responsabilidade do personagem, mas ouvi-lo contar como conquistou o papel foi emocionante. Ivo ouviu falar do casting pela mãe de um colega. Enviou um e-mail, mas o teste seria no sábado e era dia de ir ao futebol com o pai. Ivo estava desistindo, mas o pai sugeriu que passassem por lá para ver. Ivo fez o teste, deixou o diretor alvoroçado – Berger já estava desistindo, por não achar o ator certo – e foi ao jogo. Tudo bem, essas histórias de pais e filhos mexem comigo, mas confesso que, ao sair da projeção, cheguei a pensar – mas já, no segundo dia, o Urso de Ouro? É cedo para fazer apostas, mas pensei muito no Mel, daquele turco, que venceu a Berlinale anos atrás. Tudo muito diferente, a começar pelo décor – a cidade, em oposição à floresta -, mas o filme de Berger é tão belo quanto. Houve ainda o segundo filme em língua inglesa do argelino Rachid Bouchareb, com Forest Whitaker, Harvey Keitel e Brenda Blethyn (com quem ele já havia feito London River). É um remake, quero dizer, uma reinvenção de Deux Hommes dans la Ville, que José Giovanni escreveu e dirigiu no começo dos anos 1970, com Alain Delon e Jean Gabin. No Brasil, chamou-se Dois Homens Contra a Cidade. Vocês podem até achar que não, mas sabem quem é Giovanni. Condenado à morte por assassinato nos asnos 1940, teve a pena comutada depois 10 ou 15  anos de trabalho forçado. Virou escritor e roteirista/dialoguista. A Um Passo das Liberdade/Le Trou, de Jacques Becker; Os Aventureiros, de Robert Enrico, que o aproximou de Alain Delon. Escreveu diversos policiais de Jacques Déray, quase todos com Delon, e depois dirigiu esse último. Baseado na própria experiência – e apoiado por Delon -, Giovanni investiu contra o sistema penal da França (a morte na guilhotina) e criticou duramente a dificuldade de reinserção social de ex-presidiários. Ao mesmo tempo, criou uma espécie de mitologia da cadeia – códigos de honra, amizade viril etc. Bouchareb pegou o básico de Giovanni – Delon sai da cadeia e é apoiado por Gabin, seu educador, mas todo o mundo conspira contra ele, até mesmo um bandidinho vagabundo interpretado pelo jovem Gérard Depardieu. Aqui, Forest Whitaker sai da prisão, ganha apoio de Brenda Blethyn, mas é perseguido por ex-parceiro (Luis Guzmán) e xerife (Harvey Keitel) cujo parceiro matou. A grande diferença é que Bouchareb fez de Whitaker um ex-presidiário que se converteu ao Islã e quer andar na linha. O filme tem seu andamento – digamos que é lento, introspectivo, muito bem interpretado. Não achei bom (com maiúscula, Bom!), mas gostei de ver e Whitaker consegue ser ainda melhor que em O Mordomo da Casa Branca. Agora, preciso me mandar para tentar ver Caravaggio, de Derek Jarman, em cópia restaurada (e com apresentação de Tilda Swinton). Na volta, relato mais alguma coisa.

Tudo o que sabemos sobre:

Festival de Berlim; Cinema

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.