As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estão faltando horas…

Luiz Carlos Merten

02 de junho de 2015 | 18h59

ROMA – Tenho feito algumas matérias para o Caderno 2, mas nem preciso dizer que não tenho postado muito, porque vocês sabem. Tenho ido um pouco ao cinema. Estamos, Dib e eu, num hotel na Via Del Corso e a poucas quadras daqui há um cinema no qual pude ver o documentário Louisiana, de Roberto Minervini, que causou sensação em Cannes. Um filmes sobre norte-americanos que vivem abaixo da linha de pobreza. Achei bem interessante. Fui também à Cineteca Nazionale, que está emendando um ciclo de Louis Malle com outro de Jean Renoir. Gostei de ter revisto Alamo Bay. Sempre achei que era um Malle menor, mas hoje achei muito forte, com uma dramaturgia austera, como se fosse um documentário. Nosso principal tour do dia foi às Termas de Caracalla, q2uwe me impressionaram pela grandiosidade. Para alguém com minha capacidade imaginativa, essa viagem, está sendo umas loucura. No auge do funcionamento das termas, 6 mil pessoas podiam frequentá-las simultaneamente. Era um formigueiro humano, uma Serra Pelada. Fico louco só de pensar. Já é quase meia-noite aqui. Vou madrugar, porque adquiri ingressos para uma audiência com o Papa Francisco, que vamos emendar, Dib e eu, com a Capela Sistina e o Museu da Vila Borghese  Não sei quantos de vocês já estiveram aqui, mas o Juízo Universal (Michelangelo!) na primeira e a estátua de Daphne e Apolo (Bernini!) no segundo, já valem uma vinda a Roma. Já tinha vindo aqui duas vezes, mas nunca gostei tanto de Roma. Estou-me sentindo parte dessa cidade, dessa história. Na minha vez anterior, vim para a junket de Anjos e Demônios. Fiz one a one com Ron Howard e Tom Hanks. Com o diretor, conversei no Castel de Sant’Angelo. Foi uma das grandes emoções da minha vida – o lugar, mais que o Howard, por mais carinho que tenha pelo ator infantil. de Vincente Minnelli (Papai Precisa Casar) e o juvenil de Don Siegel (O Último Pistoleiro). Na quinta, volto para Paris e, de lá, na sexta, inicio a viagem de volta para o Brasil, via Amsterdam. Em Paris, quero rever a cópia restaurada de Alemanha Ano Zero., de Roberto Rossellini. E também. se der. A Dança dos Vampiros, o musical, dirigido pelo próprio… Roman Polanski! Em toda parte é assim. Meu dia ideal. teria de ter 30 horas, no mínimo.