As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Esses italianos

Luiz Carlos Merten

22 de novembro de 2014 | 10h23

RIO – Apesar da procedência, meu assunto é São Paulo. E não se trata de nenhum post sobre o velho (dos anos 1960)  filme de Nanni Loy. Como aperitivo para a 10.ª Mostra de Cinema Italiano, que começa segunda-feira, o MIS está apresentando uma exposição de fotos de grandes diretores italianos e uma minirretrospectiva com seis filmes de Pietro Germi. Um deles é o policial Aquele Caso Maldito, de 1959, que acaba de sair em DVD pela Versátil, mas também é possível (re)ver as virulentas comédias do diretor – Divórcio à Italiana, em que Marcello Mastroianni está genial, Seduzida e Abandonada e Confusões à Italiana/Signore e Signori, pela qual Germi recebeu, debaixo de vaias, a Palma de Ouro em Cannes. A 10.ª Mostra, com patrocínio da Barelli (das massas), começa segunda com a presença de Maria Grazia Cuccinota, de O Carteiro e o Poeta, que vem apresentar La Moglie del Sarto/A Mulher do Alfaiate, de Massimo Scagliane. A programação inclui dois filmes de Veneza – Il Giovane Favoloso, de Mario Martone, sobre o poeta Giacomo Leopardi, e Io è Morto, de Alberto Venezia. Scaglione e Venezia vieram para divulgar o festival e eu os entrevistei antes de viajar para o Rio. Espero encontrar Maria Grazia na segunda, ao retornar. O outro festival italiano começa terça. Chama-se Filmcup  Brasil & Itália e é apresentado pelos organizadores como um encontro de coprodução. A Filmcup traz um monte de filmes de Veneza, incluindo dois que passaram na Mostra – e que venceram o festival, os de Roy Andersson e Andrei Konchalovski; para dizer a verdade, não gostei muito de nenhum dos dois -, mas um destaque especialíssimo é a versão restaurada de Um Dia Muito Especial, e por conta disso entrevistei ontem, pelo telefone, Ettore Scola. Foi ótimo Preciso falar, no impresso, no portal e no blog, de todos esses eventos – filmes e entrevistas. Me aguardem.