As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

E os números, hein?

Luiz Carlos Merten

06 de novembro de 2013 | 17h20

Foi-se a Mostra, mas eu ando numa correria do cão. Um pouco para ainda ver filmes na repescagem, mas também porque estou empilhando exames para uma cirurgia que talvez tenha de fazer – não, que terei de fazer -, de vesícula. Nesse corre/corre, deixei de registrar que Rodrigo Salem fez na capa da Folha, acho que de sexta, a matéria que me perseguia, há tempos. Correndo para ver filmes e fazer entrevistas na Mostra, todo dia comentava com meu editor que grandes apostas ‘dramáticas’ de público do cinema brasileiro, como O Tempo e o Vento e Serra Pelada, deviam estar indo mal, porque quando os filmes vão bem a gente logo sabe – as assessorias ficam cantando os números. Sou dos que gostaram de Serra Pelada e, mais até que os baixos números do filme, me preocupa uma declaração de Heitor Dhalia para o Rodrigo. Disse meu amigo Dib Carneiro, que leu o texto – Heitor está repensando seu próximo projeto, um filme de cangaço. Não sei bem o que significa ‘repensar’. Desistir, fazer os filmes em outro formato? A mim, particularmente, não agrada ver diretores talentosos reféns do mercado. A questão, claro, é de custo/benefício. Gostei bastante do campeão do ano, e estou disposto a bater boca pelo reconhecimento das qualidades de Minha Mãe É Uma Peça, mas o melhor filme brasileiro de 2013 é uma produção totalmente indie e que não tem a menor chance de estourar na bilheteria – São Silvestre. Mas não dá para negar que só as comédias estão dando as cartas no cinema brasileiro e são as responsáveis pela ocupação do mercado. Em números absolutos, e apesar desses revezes (graves) – dos dramas -, o share subiu em relação ao ano passado. Corrijo-me. Só as comédias, não.  Faroeste Caboclo passou do milhão de espectadores, mas tem a coisa popular – a ação, a música, o erotismo. Tirando a música – mas também era bem musical -, Serra Pelada tinha tudo isso e mais o Wagner Moura em estado de graça. Jurava que a Sophie Charlotte ia deixar o público masculino em ponto de bala. Os caras nem foram ver. Isso é que me deixa impressionado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: