As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

E O Pequeno Segredo, hein?

Luiz Carlos Merten

17 Dezembro 2016 | 11h50

Tenho ouvido muito falar de Manchester à Beira-Mar e Moonlight, que concorrem ao Globo de Ouro na categoria de drama, e também de La la Land – Cantando Estações, indicado na de melhor comédia ou musical. La la é o novo filme de Demian Chazelle, o diretor de Whiplash – Em Busca da Perfeição, agora com Emma Stone e Ryan Gosling e que Sight & Sound define como um ‘Jacques Demy-esque musical’. Se for, já gostei. Moonlight, de Barry Jenkins, traça o retrato em três atos de um homem que nasceu pobre, gay e negro em Miami, virou gângster durão em Atlanta e tem dificuldade, nesse meio, para conviver com sua dependência da mãe e o estranhamento (para os outros) de suas escolhas sexuais. Manchester, de Kenneth Lonergan, é sobre um homem que volta para casa e a família, após a morte do irmão, para tomar conta do sobrinho. Todos concorrem a melhor diretor – Chazelle, Jenkins e Lonergan -, e o segundo ganhou páginas e páginas na Film Comment de setembro/outubro, justamente porque o tema da (homos)sexualidade de homens negros, e maduros, ainda é tabu no cinema, e não apenas no norte-americano. Pode ser que pelo fato de que três atores se revezam no papel, Moonlight não concorre a melhor ator de drama no Globo de Ouro, mas Casey Affleck (Manchester), sim, e Ryan Gosliong também está indicado para melhor ator de comédia, por La la Land. Já assisti aos cinco indicados para melhor filme estrangeiro – Elle, Neruda, O Apartamento, Toni Erdmann e Divines, de Houda Benyamina, que venceu a Caméra d’Or em Cannes. A coisa deve ficar entre Asghar Farhadi e Maren Ade, e acho que a alemã leva. Por falar em filme estrangeiro, a Academia divulgou sua lista de nove, da qual sairão os cinco. Tem gente comemorando que O Pequeno Segredo não entrou, mas isso é para dar uma bofetada naquela comissão de m… que fez a indicação do Brasil. A pré-lista do Oscar é bem surpreendente. Nem Elle nem Neruda, de Pablo Larrain, estão indicados. Do Globo de Ouro, migraram Toni Erdmann e O Apartamento. Entraram, entre outros,É Apenas o Fim do Mundo, de Xavier Dolan – ótimo! -, e o Paradise, de Andrei Konchalovsky, que representa a Rússia. Em ambos os casos, acho que as coisas estão ficando fáceis para Maren Ade. A premiação do Globo de Ouro ocorre no começo de janeiro. O Oscar, no fim de fevereiro. Ainda vamos ter muitos postas sobre o assunto.