As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

E o Kikito vai para…?

Luiz Carlos Merten

07 Agosto 2015 | 17h57

GRAMADO – Meu último post anterior havia sido do Recife. Agora estou em Gramado, no Rio Grande do Sul, onde começa daqui a pouco o 43.º Festival de Cinema Brasileiro e Latino. A disputa pelos tradicionais Kikitos já começa causando. Até agora todo mundo tenta entender por que Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert, saiu da competição e passa hoje fora de concurso? A alegação oficial é que o regulamento do festival não permite que concorram filmes já estreados e Que Horas Ela Volta? terá uma pré-estreia em São Paulo no dia 11, isto é, durante a realização do evento na serra gaúcha. Uma pré-estreia não é ainda a estreia. Trata-se de um evento fechado, para convidados. Parece-me um prurido meio disparatado, considerando-se que metade dos oito filmes selecionados já passou em outros festivais no País. Três, senão quatro, estavam na Première Brasil do ano passado, há quase um ano. Sei não, mas acho que foi uma boa desculpa arranjada pelos produtores – os Gullane, não? Honestamente, se o filme ganhasse Gramado isso não somaria muito ao lançamento, mas se perdesse para algum miúra poderia pegar mal como blockbuster, filme de mercado. Tergiverso. Na verdade, gosto bastante do filme de Anna Muylaert e até já escrevi aqui no blog que, com a campanha adequada, Regina Casé, que já foi melhor atriz em Sundance, poderia repetir Fernanda Montenegro, que concorreu por Central do Brasil, cavando outra indicação para o Oscar. Dei uma olhada na cobertura da imprensa gaúcha e a tônica é que o festival privilegiou a qualidade sobre o ineditismo, daí a participação de filmes que já concorreram em outros festivais. Cala-te, boca, mas com exceção de Ausência, de Chico Teixeira, não me lembro dessa qualidade toda nos concorrentes que já vi. Mas prometo zerar, tentando (re)ver os filmes sem parti-pris, como se fosse a primeira vez.