As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Douce France, que já foi tão acolhedora

Luiz Carlos Merten

23 Maio 2018 | 12h43

PARIS – Fui rever outro Almodóvar das antigas, La Ley del Deseo. Almodóvar na fase pós-Movida, em plena militância gay. Eusebio Poncela, o policial de Matador, faz cineasta que tem uma irmã trans – Carmem Maura. Surge na vida dele Antonio Banderas, que se apaixona de forma obsessiva. Pulsões de vida e morte, como em Matador. O filme é de 1987 – 30 anos. Não apenas é ousado como dá de dez nos novos filmes sobre homossexualidade que estavam em Cannes. Uma política do sexo. Não estou numa fase muito boa, tenho de admitir, mas essas coisas vão passar. Tenho de parar de reclamar, fazendo de tudo uma tragédia. Mass tem coisas que não passam. Preciso relatar o que ocorreu comigo hoje. Sempre gostei muito da França, quem me conhece do blog sabe. Mas algo está se passando com esse país que ilustra o estado do mundo. Guardas armados na rua. Policiais, o Exército. Um clima pesado. Andei nesta manhã de metrô. Um cara sentou-se na minha frente e disse para o cara ao lado que ele estava avançando sobre a sua parte. O sujeito saiu com dez pedras na mão. O outro calou-se, mas quando o desbocado foi sair, ele bloqueou a passagem. Rolou uma disputa, os dois se empurrando, mandando se f… Tentei salvar minha perna, mas sobrou para mim. Quase me rebentaram. Cheguei a brandir minha bengala, mas a sensação que tive é que, no limite, iam se unir contra mim. Ódio! A França que eu gostava não era assim. Na Terça, fui almoçar no Jardim de Notre Dame, um restaurante que dá vista para a catedral. Como ia subir para a Sorbonne, peguei a direita e dobrei a primeira, para conferir a programação dfo Centro de Cultura Italiano. Em frente, fica a igreja de Saint-Sévérin. Nesses anos todos em Paris, nunca visitei. Resolvi conferir. Na porta, tem uma advertência. Risco de atentado. Entrei, mas na hora me deu uma coisa. Que mundo é esse, em que entrar numa igreja virou atividade de risco? Isso já tinha me abalado, mas hoje, no metrô, foi como se o meu mundo caísse. Ainda bem que estou voltando.