As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário de Cannes (42, e final)

Luiz Carlos Merten

26 de maio de 2014 | 07h52

PARIS – Já que citei no post anterior a Palme Queer, é bom acrescentar que ela foi para o inglês Matthew Walchus, de Pride. Não vi o filme, que passou em alguns horários impossíveis, mas espero que Renata Almeida e/ou Ilda Santiago o levem para a Mostra de São Paulo e o Festival do Rio. Ouvi referências ótimas. Pride ficcionaliza o apoio de associações gays a mineiros ingleses que faziam uma greve contra a Dama de Ferro. Thatcher acabou com eles, mas os mineiros, depois de rechaçar a aproximação dos gays, cerraram fileiras e quem viu me garante que é um grande filme político – humano e divertido – na vertente de Ken Loach, o grande.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: