As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário da Croisette (2)

Luiz Carlos Merten

15 de maio de 2013 | 11h49

CANNES – Nunca houve tantas estrelas no júri de Cannes como neste ano. Escolhido o presidente, ele escolhe, de comum acordo com o festival, a composição restante do júri. Ao lado de Steven Spielberg estão Ang Lee, Cristian Mungiu, Nicole Kidman, Christoph Waltz, Daniel Auteuil, Naomi Kawase etc. Spielberg e Ang Lee estiveram na disputa do Oscar (que Ang Lee venceu). Ambos trocaram amabilidades. Ang Lee disse que Spíelberg sempre foi seu ídolo. Spielberg disse que é um amigo a quem admira. E Steven acrescentou que o bom de Cannes é que ninguém faz campanha pelos filmes, como no Oscar. Serão eles, os nove jurados, em busca do filme que poderá ser uma descoberta, e uma revelação. Vendo Spielberg falar da família cinema e de Cannes como um evento global, multicultural, um ponto de encontro, emocionei-me a ponto de quase chorar. No fundo, o que todos buscamos é uma experiência visceral – Spielberg, Ang Lee, você, eu. Daniel Auteuil disse uma coisa linda. Ao ser convidado, pesquisou na internet todos os ‘filmes palmés’, que receberam a Palma de Ouro. E chegou à conclusão de que viu a maioria e que foram filmes que fizeram sua cabeça, formaram o homem e artista, o ator e diretor, que é. Participar do júri que vai escolher a próxima Palma de Ouro, talvez apontar um caminho, é muito mais que um privilégio. É um sonho. O que Auteuil disse, ate M. le president assina embaixo. Saída coletiva do júri acreditando que o entendimento é possível. Tantas pessoas diferentes – diferentes origens, culturas. O mesmo respeito pela diversidade, o mesmo amor pelo cinema. O Grande Gatsby está aqui em Cannes fora de concurso. Foi produzido em 3-D e o início é muito legal, com o selo de Jay Gatsby na tela plana e ela adquire profundidade, e cor, o que é uma forma de Baz Luhrmann reinventar a abertura de Moulin Rouge, lembram? Justamente o 3-D. Por quê? Para atingir a profundidade dos sentimentos? Para realçar ainda mais os fogos de artifícios? Já sei até os coleguinhas que vao dizer isso, coitados. Daqui a pouco, a competição começa para valer, com Heli, de Amat Escalante. Torço para ser surpreendido, para que seja um grande festival.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.