As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diario da Croisette (14)

Luiz Carlos Merten

21 de maio de 2013 | 06h22

CANNES – Acabo de ver o Liberace de Steven Soderbergh, Behind the Candelabra. O filme, compreensivelmente, tem a fascinacao do behind, do derriere. Liberace, afinal, era gay, e esse era um segredo de polichinelo que seus advogados e managers tentavam seconder – a homossexualidade. Como se fosse possivel. Lee, como gostava de ser chamado, era o prototipo da bicha `cheguei!` Com aqueles casacos de pele e o excesso de strass – soh ele jah bastaria para manter funcionando a industria austriaca de vitrilhos -, antes mesmo que abrisse a boca para falar a condicaoh estava rfevelada. Hah tempos que Soderbergh vem anunciando seu ultimo filme. Eu, pessoalmente, nao me importaria se parasse. Seus filmes andam cada vez menos interessantes e Liberace que more de aids e voa para o ceu no desfecho de Candelabra eh um pouco demais para o meu gusto. Candelabra eh telefilme (da HBO). Todo mundo fala que o melhor do talent norteamericano estah hoje na televisao, mas justamente um film e como este deve fazer as pessoas refletirem. Candelabra naoh eh mal-narrado, mas eh telefilme no que tem de mais `plano` (a linguagem bidimensional, o plano-contraplano etc). A graca do filme estah em ter atores straights – e Michael Douglas, priaprico, teve de fazer tratamento para poder controlar o sexo – fazendo papeis de gays. Michael veio dizer que conheceu Liberace, que era vizinho de seu pai, Kirk Douglas, em Hollywood. Uma frase do filme talvez se refira mais ao ator do que ao personagem – quando Lee diz que ficou igualzinho ao pai. Eh o que Michael poderia dizer em relacao a Kirk. Matt Damon, Rob Lowe, Dan Aykroyd, todos fazem gays de carteirinha (Matt Damon, o amante que vai a Justica quando eh dispensado, jura que eh bisexual, mas como diz Lee, `quando, querida?`). Todo mundo solta a franga, Soderbergh carrega no imaginario gays. Tudo eh muito cafona, vulgar. Sorry, mas nem com boa vontade dah para gostar. Soderbergh virou faz-tudo no pior sentido. Depois do Che, Lee. Vira tudo a mesma coisa. A mesma? What a fuck um filme desses faz na competicao? A meia-noite, numa sessao `Cabaret`, jah estaria mais que bem. O pior eh que eh capaz de ganhar – melhor ator.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.