As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De Bergman e Guimarães Rosa

Luiz Carlos Merten

28 de junho de 2007 | 19h37

Não posso perder o Medeiros, perdão, o Medeiro como leitor de jeito nenhum. O blog pode ser meu, mas o sucesso é o cara. Quando ele aparece, todo mundo comenta… Mas, gente, tive um dia tão atarefado que não me sobrou tempo para postar nada. Entre outras, fiz uma entrevista muito legal com o Walter Carvalho, ligada àquele projeto do Festival do Rio que, oportunamente, revelo qual é. Walter me disse, entre outras coisas, que a Cleópatra de Júlio Bressane, interpretada por Alessandra Negrini – as gêmeas de Gilberto Braga -, ficou linda (o filme, não só a atriz). Comentou também a fase de recolhimento que vive, preparando-se para dirigir, no fim do ano, Budapeste, o longa que a roteirista e produtora Rita Buzar está adaptando do romance de Chico Buarque, em parceria com a Hungria. Walter filma um mês aqui e outro lá. O grande objetivo deste post, possivelmente o único de hoje, porém, é chamar a atenção para um programa muito legal na TV paga. O Otávio, que faz a assessoria do Eurochannel – e é dos que vestem minha camiseta contra o Medeiros, perdão, Medeiro -, me enviou o DVD de um programa que o canal europeu exibe hoje às 22h30. A noite nostalgia do Eurochannel apresenta o documentário – exclusivo – Svensk Filmindustri, A Grande aventura do Cinema Sueco, sobre o estúdio no qual Ingmar Bergman rodou muitas (quase todas) suas obras-primas. Aliás, juntando Bergman, o grande, ao post sobre erros de ‘gravação’ – o próprio Bergman chamou a atenção para o erro em um daqueles seus filmes medievais, acho que A Fonte da Donzela. Numa cena, em meio à floresta, aparece um edifício, com o sol que se reflete no espelho. Ó céus! Era mesmo Fonte da Donzela ou seria O Sétimo Selo? Dúvida cruel, mas eu sei que você vão me prestar a informação correta. E ah, sim, Medeiro Vaz é um daqueles coronéis que assombram o Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, como me lembrou outro blogueiro do Estado, Luiz Zanin Oricchio. Ou seja, nosso Medeiro deve ser um pseudônimo para nos atazanar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.