As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Creio em lágrimas

Luiz Carlos Merten

28 de dezembro de 2010 | 14h15

Saio daqui a pouco da redação do ‘Estado’ para assistir a ‘De Pernas pro Ar’. Espero me divertir com a comédia de Roberto Santucci, mas antes acrescento um post que me sai do fundo do coração. Fui rever ‘O Concerto’ em Porto e gostei ainda mais do filme de Radu Mihaileanu, que estreou na sexta-feira passada, no apagar das luzes da temporada de 2010.  Foi a última grande estreia do ano, porque nesta não teremos nada tão expressivo. Havia dedicado a capa do ‘Caderno 2’ ao filme que vi duas vezes – no cinema, em Paris, e numa versão reduzida, nos aviões da Air France. ‘O Concerto’ é da mesma vertente de ‘O Trem da Vida’ na obra do autor. Encanta-me a riqueza de observação de Mihaileanu, a forma sucinta como ele, com duas ou três pinceladas, usa seus personagens para traçar um vasto painel da  ‘condição humana’. Judeu de ascendência romena, criado na França, ele traz para o cinema essa singular característica da cultura judaica, que consiste em rir dos outros, mas principalmente de si mesmo. Mihaileanu é mestre do chiste, o dito espirituoso, que tanto pode ser piada ou frase de efeito cômico. O judeu e o filho que vão para Paris, integrando a orquestra – o pai leva uma mala de caviar, que não interessa a ninguém; o filho vende celulares chineses. Aquilo é muito engraçado – Hollywood talvez achasse politicamente incorreto -, mas quando eles chegam atrasados para o concerto, atrasados e atrapalhados, o humor cede espaço para outra coisa, o sublime, quando Anne-Marie, a violinista, seguindo as anotações de Léa, sua mãe, toca a perfeição no concerto de Tchaikovski, aquela perfeição que o maestro dedicou sua vida a perseguir e que atinge, depois de ter sua busca truncada por 30 anos. É emocionante. Merten, mais uma vez, crê em lágrimas, a boa e velha catarse, mas não bastam as lágrimas espontâneas, que escorrem, independetemente de a gente querer ou não. ‘O Concerto’ me dá vontade de chorar alto, de urrar, um choro para ninguém botar defeito. E tem a atriz. Mélanie Laurent interpreta, basicamente, a mesma personagem que faz em ‘Bastardos Inglórios’, de Quentin Tarantino. Como é boa, a Mélanie. Linda e talentosa. Vou ver o filme de novo, para tentar colocar meu foco só nela. O problema é que ‘O Concerto’ é tão denso e os personagens tão maravilhosos – o materialista russo que agradece a Deus pelo ‘milagre’ – que já tentei. Não consigo colocar meu foco só em Melanie, por melhor que seja. Quando vejo, estou viajando nas emoções do novo Mihaileanu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: