As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Clint, 90

Luiz Carlos Merten

31 de maio de 2020 | 21h01

Estou assistindo agora a Três Homens em Conflito, na homenagem do Telecine Cult aos 90 anos de Clint Eastwood. É a melhor parte, quando Blondie e Tuco avançam pela cidade fantasma e vão liquidando os homens de Olhos de Anjo. Clint, Eli Wallach e a trilha de Ennio Morricone. Na verdade, dei uma parada para ver o restante do filme. O acampamento da União, o capitão que leva um tiro e Blondie que lhe dá o trago e diz para manter os ouvidos atentos. A destruição da ponte que manterá os confederados isolados, o capitão morre, aliviado, com um sorriso. O soldado que está morrendo, Blondie o cobre com seu casaco, lhe oferece o último cigarro. Gestos simples que esculpem, no universo derrisório dos anti-herois de Sergio Leone, o ‘bom’. A corrida de Tuco no cemitério, em busca da cova que abriga o tesouro. Wallach é filmado de longe, com teleobjetiva. Olhos de Anjo/Lee Van Cleef aparece para eliminar os concorrentes e ficar com os US$ 200 mil. O tiroteio a três na arena circular, e tudo com a trilha majestosa de Morricone. Gostei de ter (re)visto Il Buono, Il Brutto, Il Cattivo na versão restaurada -thanks to Clint, Wallach e o produtor Alberto Grimaldi, segundo o agradecimento final. Está passando agora A Marca da Forca. Uma cena com Inger Stevens, uma loira que filmou com Don Siegel (Os Impiedosos) e Henry Hathaway (Pôquer de Sangue). Sempre achei impressionante a história sobre como ela foi casada por vários anos com um ator negro, Ike Jones, mas manteve o casamento secreto durante toda a luta por direitos para não prejudicar a carreira. Inger morreu em 1970, com 30 e poucos anos, presumivelmente por suicídio. Vou terminar o post para continuar vendo o Ted Post. É o diretor de Hang’em High. Está sendo um dia especial para mim. Depois de 70 dias de isolamento, almocei hoje comm Lúcia e Fabí, com todo cuidado. Tomamos vinho, rimos, fizemos planos. Pela manhã havia feito mais um de meus clássicos do dia – Queimada!, de Gillo Pontecorvo. Parece que a vida vai continuar.

Tendências: