As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cinema de invenção

Luiz Carlos Merten

19 de setembro de 2009 | 17h41

Olá! Agora, ando assim – simplesmente desapareço. Ontem pela manhã fui ao Rio, para entrevistar o diretor Sérgio Rezende e a atriz Andréa Beltrão, de ‘Salve Geral’, e aproveitei para visitar o Armazém da Cidadania, no cais do porto, sede do Festival do Rio, que começa quinta, dia 24. Walkiria Barbosa, que integra o colegiado que organiza o festival – é a sra. Mercado, responsável pelos seminários -, me ciceroneou. Acho aquele espaço maravilhoso e este ano ele vai estar melhor ainda, abrigando até uma parte de jogos, para atrair jovens, e uma sala de 3-D. O festival promove, entre outras coisas, um workshop com especialistas norte-americanos que vão treinar colegas brasileiros – roteiristas, fotógrafos e diretores – na realização de filmes em terceira dimensão. Por que? ‘A Era do Gelo 3’ foi lançado em, sei lá quantas salas e 10% delas, talvez um pouco mais, equipadas com 3-D, fizeram a mesma renda das restantes 90%. Os números exatos não são esses. Talvez exagere, mas é só para mostrar a atração que o formato desperta no público e o cinema brasileiro não pode ficar fora dessa. Fui ver agora de manhã aquele filme da Sony, ‘Cloudy’ não sei o quê, em 3-D (é bem bacana) e emendei com uma corrida até o Espaço Unibanco, para gravar uma entrevista que deverá ir ao ar pelo SBT agora à noite, no telejornal das 7 ou 8, não sei. O tema é justamente ‘Salve Geral’, que foi indicado ontem como representante brasileiro para concorrer a uma vaga no próximo Oscar de filme estrangeiro (comento no próximo post). Encontrei o Adhemar Oliveira. Tomamos um café e ficamos charlando, como se diz no Sul. Adhemar está se associando ao Carrefour para construir 200 salas populares em supermercados. Todo mundo reclama da falta de salas onde o público do cinema brasileiro – o de periferia – poderá ter ingresso mais barato, sem a pressão do shopping (e da praça de alimentação) que está transformando a ida ao cinema num lazer caro. Lá pelas tantas, falamos sobre tecnologia e me veio uma coisa que escrevi e não sei se ficou claro para quem leu o post anterior, sobre ‘Quartett’. Tenho colegas em relação aos quais vivo na contramão. Os que fazem crítica de cinema dividem os filmes entre autorais e cinemão, entre Deus e o Diabo, baseados numa visão bipolar da arte (e do mundo). Os de teatro rezam na cartilha dos grupos e se engasgam com o teatro ‘comercial’, mesmo o de qualidade, como dizem. Acho isso de uma pobreza intelectual inenarrável. Alguma coisas, não tudo que vejo, do teatro de grupo me parece de um amadorismo de chorar. Fui ver o ‘Quartett’, de Bob Wílsôn e Isabelle Huppert, e achei o limite da experimentação e da radicalidade estética numa estrutura que só o teatro comercial, o teatrão, pode fornecer. Aleluia! Quem foi que disse que o teatro ‘comercial’ não pode ser experimental? Essa gente está na idade da pedra. Comparei ‘Quartett’ ao ‘Batman – Cavaleiro das Trevas’, de Christopher Nolan. Não tem nada mais cinemão do que aquilo e, ao mesmo tempo, é avant-garde pura. Aqui, ainda estamos na publicação e dissecação das teorias de Eisenstein! Vanguardas à retaguarda! O mundo já está anos luz à frente. Comprei agora a edição de julho/agosto de ‘Cahiers du Cinéma’. Ainda não li e nem sei se vou ler. É mania de colecionar. Em geral, dou uma vista d’olhos e chega. A capa é, só poderia ser, ‘Inimigos Públicos’, de Michael Mann. Lá dentro, tem uma grande matéria, ‘Le Relief Fait le Trou’, na qual Jean-Michel Frodon analisa justamente o fenômeno, que considera incontestável do 3-D. Bill Khron, o Sr. ‘Cahiers’ nos EUA, entrevista Joe Dante, que está terminando seu primeiro 3-D – ‘The Hole’ – e, para mim, o melhor, mais que o formato, é saber que o diretor de ‘Gremlins’ e ‘Matinée’ está voltando. Prosseguindo, Thierry Méranger faz uma grande matéria sobre a consolidação da animação em 3-D, desde a nova versão de ‘Toy Story’ até o megasucesso ‘Up’. Há tempos que venho colocando as novas vertentes da animação no meu panteão particular, mas, por mais que admire – e respeite – Hayao Miyazaki, gosto mesmo é de ‘Ratatouille’, vocês sabem. Sorry se os decepciono. Não quero dizer que eu é que estou certo, mas propor alguma espécie de reflexão. Vou mediar algumas mesas no Festival do Rio – os Cineencontros e até uma que vai debater como se faz filmes de sucesso no País. Espero que pelo menos os leitores cariocas do blog compareçam.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.