As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cicatrizes d’alma

Luiz Carlos Merten

20 de abril de 2014 | 13h13

Rapidinho – quero ver hoje Marina e Copa de Elite, e não terei mais tempo de postar. Quero compartilhar logo uma experiência. Na sexta à n oite, Dib Carneiro e eu fomos jantar em casa de nosso ex-editor, Evaldo Mocarzel, que nos mostrou seu curta A Cicatriz e a Flor, baseado na peça de Newton Moreno. Achei bem interessante. Uma mulher que exorciza o fim de uma relação escalavrando-se, e a atriz se cortou mesmo em cena. Cortes e sangue, tudo real. As frases de Newton, que tentam dar conta do amor, como plenitude e dor. Fui ver ontem no Sesc Pinheiros – no teatro pequeno, não no grande – a peça O Convidado Surpresa. Fomos – Dib, nossa amiga Jussara Guedes, eu. Adriana Monteiro, que faz a assessoria, foi quem exortou o Dib. Tenho de agradecer-lhe. Gostei demais. Estava lá um povo de cinema – Marco Dutra, Daniel Ribeiro (que comemora o sucesso de Hoje Eu Quero Voltar Sozinho). O Convidado baseia-se num romance de Grégoire Bouillier e a dramaturgia e a direção são de Rafael Gomes, que incorpora trechos de Miss Dalloway, de Virginia Woolf. Um homem, uma mulher. Ele atende o chamado que nunca deixou de esperar – de uma mulher que o abandonou, no passado. Nova cicatriz, nova flor (um buquê de rosas). Fiquei muito tocado pela sinceridade da encenação, e do elenco. Mayara Constantino é muito boa, mas Thiago Ledier foi uma descoberta. Puta cara bom… Queria postar logo para ver se deixo vocês com vontade de conferir.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.