As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Berlinale! (17)

Luiz Carlos Merten

12 de fevereiro de 2015 | 21h24

BERLIM – Não creio que o júri de Darren Aronofsky vá atribuir o Urso de Ouro a El Botón de Nácar – o documentário do chileno Patricio Guzman leva mais jeito de ser recompensado pelo júri da crítica, com o prêmio da Fipresci -, mas se minha intuição não estiver errada tenho a senmsação de queassisti hoje ao vencedor da 65.ª Berlinale, e foi o filme italiano Vergine Giurata, de Laura Bispuri. Virgem Jurada aborda quiestões sociais, políticas, mas fundamentalmente o que está no centro de sua história é uma questão de identidade, de gênero (humano). Voltamos à Albânia da Kanun, a lei primitiva, mas a história, propriamente dita, vai sendo desvendada em flash-back. Tio Mark migra para Milão, ao encontro da irmã que fugiu da Albânia para poder se casar com o homem que amava, recusando o casamento arranjado. Tio Mark, na verdade, é Hana, que virou homem aos olhos da comunidade e sacrificou sua feminilidade, transformando-se numa eterna virgem para ter direito à liberdade num mundo em que as mulheres vivem restritas. Em Milão, tio Mark começa como objeto de escárnio da sobrinha, mas resgata sua identidade, sua feminilidade – e perde a virgindade. Mesmo achando que o filme de Guzmán é melhor, tenho a impressão de que a agenda – estética, humana, política – de Vergine Giurata atende às necessidades de qualquer júri, e o filme leva. Existem outros bons candidatos – o guatemalteco Ixcanul, o inglês 45 Anos e até o outro chileno, El Club -, mas se a Virgem não ganhar, que pelo menos a atriz Alba Rohrwacher fique com o prêmio de interpretação feminina. Se isso ocorrer, Alba estará somando seu segundo prêmio num grande festival internacional, menos de meio ano depois de ganhar, em Veneza, a Taça Volpi por Hungry Hearts, de Saverio Costanzo, com quem já havia feito La Solitudine dei Numeri Primi. Ou me engano muito ou Alba é irmã de Alice Rohrwacher, que ganhou no ano passado o prêmio do júri em Cannes com Le Meraviglie. Aos 35 anos – faz 36 no dia 27 -, ela reúne uma impressionante bagagem de prêmios. Bem poderia levar mais um.