As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bela adormecida?

Luiz Carlos Merten

11 de maio de 2011 | 19h02

CANNES – O primeiro longa da competição, ‘Sleeping Beauty’, de Julie Leigh – nenhum parentesco com Mike -, é bizarro para se dizer o mínimo. Nada a ver com a Bela Adormecida dos contos de fada – quero dizer, nada literal. Aqui é uma garota que dlerta, não se sabe bem por quê, com o submundo. OK, a mãe era alcoólatra e dada a crises de violência, mas a diretora não vai por aí para tentar explçicar sua personagem. Aliás, ela não explica nada, o que, em princípio, seria atraente. A garota não age por dinheiro – numa cena, chega a queimar as notas que recebe por seu ‘trabalho’, que, na verdade, consiste na passividade total. Não  é alienada, pois se preocupa com o amigo drogado que está morrendo. Essa ‘ambivalência’ a leva a entrar para uma irmandade secreta meio Kubrick, ‘De Olhos bem Fechados’. Drogada e adormecida, fica à mercê de homens – todos muito velhos -, que podem fazer o que quiserem com ela, menos penetrar ou deixar marcas. Um dos malucos a queima com cigarro na cabeça, entre os cabelos. A ideia da vulnerabilidade é aterradora. Nossa bela dorme, acorda e é como se não tivesse acontecido nada, mas nós, o público, sabemos que houve. O problema é que o filme é feito num estilo deliberadamente ‘anódino’, talvez para passar o estranhamento. Confesso que, às vezes, tenho essa mesma sensação assistindo aos filmes teen de Gus Van Sant, que olha seus personagens com a frieza de um ontomologista. Estou falando dos recentes, porque os antigos, ‘Drugstore Cowboy’ e ‘My Own Private Idaho’, Garotos de Programa, eram muito melhores. Sei que Gus quer ser crítico, mas não me convence muito – daqui a pouco, na abertura de Un Certain Regard, 11 da manhã daqui, 6 horas no Brasil, ele mnostra ‘Restless’. De novo jovens – o filho, Henry, de Dennis Hopper. Sei que misturei as coisas. Estou cheio de curiosidade por ‘Restless’ e sempre tenho a esperança de voltar a gostar de Gus Van Sant, mas sua fase atual me parece fake, é isso. Quanto ao filme de Julie, não gostei. Não me impressionou. Não foi um bom começo para a mostra competitiva, mas, com certeza, deve dialogar com outros filmes selecionados por Thierry Frémaux. Pode ser que, aí sim, faça sentido. Vamos aguardar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.