As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A pergunta que não quer calar: Roma voltará às salas?

Luiz Carlos Merten

22 Janeiro 2019 | 15h20

Estou na redação do Estado e acho que não consigo sair tão cedo, porque o mundo está desabando lá fora. Acabo de redigir minha capa de amanhã do Caderno 2, sobre as indicações do Oscar. Roma, com dez indicações, empatou com A Favorita, de Yorgos Lanthimos, mas isso não invalida as considerações ‘políticas’ sobre o filme do mexicano Alfonso Cuarón. E a par de tudo o que já disse, tem o fator Netflix. Hollywood rende-se à provedora de filmes e séries via streaming? É sobrevivência – são mais de 100 milhões de assinantes em todo o mundo. E não é só Roma. Os Coen, com A Balada de Buster Scruggs, também concorre em três categorias, incluindo roteiro (de Ethan e Joel). Roma vai voltar aos cinemas? Com as dez indicações, seria um sucesso acachapante nas salas. Pantera Negra, com sete indicações, representa uma dupla vitória – primeira aventura de super-heróis na categoria principal e o filme que, como a Mulher Maravilha para o feminismo em 2017, encarnou a negritude em 2018. Mas Ryan Cooglar ainda terá de esperar. Quem concorre a direção é Spike Lee, por Infiltrado na Klan, mas não leva. Para mim, os afrodescendentes que, nesse alvorecer da disputa, já estão no pódio são a Regina King e o Mahershala Ali, melhores coadjuvantes por Se a Rua Beale Falasse e Green Book O Guia.