As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

76!

Luiz Carlos Merten

13 de setembro de 2020 | 15h23

Tive ontem a mais estranha das comemorações de aniversário. Sempre fui festeiro e neste ano, em condições normais, teria comemorado em alto estilo – o 12 de setembro caiu num sábado, uma data redonda, 75 anos! Só que, em tempos de pandemia, não deu, né? Almocei com minha filha – a Lúcia – e aproveitei para ver o Dark Mirror. Entrevistei o Afonso Poyart durante a semana e ele me falou maravilhas da série. Já não sei mais o que pensar. Vejo essas coisas e acho tudo velho, recauchutado para dar uma aparência de novidade. À noite jantei com Orlando Margarido e Elaine Guerini no Ciao, na Tutóia, que tem uma entrada – figo, cheese e presunto – que é uma delícia. Conversamos sobre festivais, viagens, foi ótimo. Pela manhã, havia finalmente redigido o número 100 da minha lista de clássicos do dia – Em Busca do Ouro. Agora, é esperar pelo 76, se houver. O mundo não anda para brincadeira – Bolsonaro, Trump, a Covid. Estava com a TV ligada e assisti, no dia 7, ao discurso do presidente. É da natureza dele elogiar o golpe de 1964, mas teve mais. Descobri, perplexo, que democracia nunca nos faltou, o país não se curva aos interesses estrangeiros e o melhor – o Brasil é o país do mundo que mais cuida das suas florestas, o que menos sofreu com o coronavirus. Se isso não é fake news, não sei o que poderá ser. Aqui em Pinheiros houve panelaço – vi no JN que em todo o Brasil – e eu também saí na sacada para gritar com a vizinhança ‘Fora!’ Onde o coiso arranja essas estatísticas? Minha vida sofreu muitas mudanças nos últimos anos, mas o que vem ocorrendo com o Brasil é muito mais grave.

Tendências: