As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

581

Luiz Carlos Merten

09 de novembro de 2019 | 13h02

Lula livre, Lula cá. Ontem, em meio à euforia – não em toda parte, é verdade – provocada pela libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ouvi muito que ele permaneceu 580 dias preso em Curitiba. Dei-me conta de que estava no hospital, após a primeira cirurgia de joelho, e acompanhei todo aquele processo pela TV. A saída do sindicato no ABC, a ida para o aeroporto, a imagem do avião decolando – 581 dias da minha cirurgia, 582 neste sábado. Não foi só a história do Brasil que sofreu um cataclismo no ano passado, levando à eleição de outubro, que colocou Jair Bolsonaro no poder. Minha vida também, porque não foi só a cirurgia, que precisou ser repetida este ano, em maio. Estou postando de casa, e daqui a pouco chega o Carlos para minha sessão de físio. Faço em geral pela manhã, cedo, mas hoje ela ficou para a tarde. Lula livre, e o meu joelho, embora a dor, e o inchaço, permaneçam – menos -, sinto que a palmilha está ajudando bastante. Duas cirurgias terminaram por encurtar a perna. Parece nada, 8 mm, mas altera toda a estrutura. Estou usando a palmilha especial há duas semanas, por aí, e já noto a diferença. Carlos, também. Jantei ontem com Orlando Margarido no Duas Teresas. Uma deliciosa polenta com bochecha, e antes a brusqueta tradicional de tomate. Tudo isso com acompanhamento de caipirinha finalizada com limão siciliano, e vinho. Orlando está com ideias, tentando me convencer a ir a Malta, com ele, após a Berlinale, que em 2020 será um pouco mais tarde, entre 20 de fevereiro e 1.º de março. Estou dividido, porque Dóris e Lúcia estão planejando passar alguns dias na Europa antes da Berlinale, e aí eu também gostaria de dividir esses momentos com elas. De qualquer maneira, estarei perdendo o carnaval. Workaholic como sou, ou me rotulam, ando com umas ideias estranhas. Um desejo de passar um ano sabático, antes que seja tarde demais. Fora do Brasil, dessa insanidade, mas onde? E por que essa vontade de desacelerar? Conseguiria? Conseguirei? Carlos chegou. Vamos à físio.