Violonista brasileiro busca na internet ajuda para estudar na Royal Academy of Music, em Londres

Violonista brasileiro busca na internet ajuda para estudar na Royal Academy of Music, em Londres

João Luiz Sampaio

01 de junho de 2012 | 21h01

Foto de Filipe Araújo/AE

“Cara, eu não tô acreditando nisso”, diz Marcus, na noite de quarta-feira, espantado com a repercussão de sua história nas redes sociais – e com a quantidade de músicos que o têm apoiado. “Gente que não conheço está me escrevendo, me dando muita força. Só hoje consegui R$ 4 mil.” Aos 26 anos, o violonista mal consegue parar de falar. Está “em choque”. Mas começa a achar possível a realização do sonho: ir estudar em Londres. A história de Marcus Toscano começou, na verdade, no ano passado. Ao menos, seu capítulo mais recente. Em julho, no Festival de Inverno de Campos do Jordão, teve aulas com Michael Lewin, professor da Royal Academy de Londres. Para jovens violonistas, é uma escola mítica. Foi lá, por exemplo, que deu aulas o mestre Julian Bream – e é lá que atuam, além de Lewin, professores importantes como o australiano John Williams e o brasileiro Fábio Zanon. Toscano desceu a serra de Campos do Jordão com uma ideia fixa: estudar na Royal Academy. Preparou-se em São Paulo com Zanon. Aceitou toda oportunidade de se apresentar ao longo do segundo semestre, juntando o dinheiro para a viagem, para a qual contou também com a ajuda dos pais de um amigo. Em dezembro, logo após a última prova na faculdade, em São Miguel Paulista, correu para o aeroporto. Passou poucos dias em Londres e retornou ao Brasil, onde, no dia 3 de janeiro, recebeu uma carta da Royal Academy: havia sido aprovado entre 70 concorrentes para uma das duas vagas do curso de violão, com a possibilidade de fazer também mestrado na Universidade de Londres.

Natural de Sorocaba, Toscano conta que, na infância, não tinha ligação nenhuma com a música. Passava o dia jogando videogames – e, preocupada, sua mãe resolveu lhe dar um violão para tentar tirá-lo da frente da tela. Chegou a ter uma banda na adolescência, mas o repertório clássico se impôs nas aulas com Pedro Cameron, em Sorocaba, e no Conservatório de Tatuí, com Henrique Pinto. Estudava de 8 a 12 horas por dia. Em 2005, perdeu a mãe. Vendeu o que ela lhe deixou – pequenos objetos de família –, comprou um violão e mudou-se para São Paulo, aiudado, “sempre no limite”, pelas avós. “Em janeiro, quando vi a carta, coloquei na cabeça que ia dar certo. Não conseguia pensar em outra coisa, pegava no violão, mas a cabeça não me deixava estudar, foi tudo muito maluco”, conta. Para a viagem e a matrícula, ele precisaria de R$ 60 mil. Foi então que conheceu Rafael Cortez, integrante do CQC, que também flertou na juventude com o sonho de ser violonista clássico. Os dois conversaram durante toda uma madrugada, ao longo da qual Toscano interpretou, pelo telefone, algumas peças. Dias depois, gravaram no Teatro São Pedro um vídeo em que Cortez apresenta Toscano e pede ao público que colabore com sua ida a Londres, entrando no site http://benfeitoria.com/marcustoscano – e doando de R$ 10 a R$ 10 mil. Até ontem no início da tarde, ele já havia conseguido cerca de R$ 12 mil, doados por 113 pessoas. Se conseguir todo o dinheiro, Toscano vai a Londres; se não conseguir, os doadores recebem seu dinheiro de volta.

“É a única opção. Se eu for esperar algum apoio institucional, de algum governo, não vou sair daqui”, diz Toscano, que nas últimas semanas ganhou apoiadores de peso. Paulo Bellinati, um dos maiores violonistas brasileiros, afirma que “sua versão da minha composição ‘Jongo’, é uma das mais brilhantes que conheço”. Fábio Zanon, por sua vez, acredita que essa iniciativa pode “abrir um precedente extraordinário”. “A situação para os estudantes de música no Brasil realmente não é fácil”, diz, em entrevista ao Estado. “Eles são reféns do nosso sistema universitário caduco, que não promove excelência. “Não existe, dentro dessa onda de estímulo à pós-graduação no exterior, um programa que contemple o estudante de artes naquilo que ele realmente precisa.” “Isso é tudo muito novo, essa ideia de financiamento colaborativo para bancar uma bolsa de estudos”, diz Toscano sobre o crowdfunding, fenômeno relativamente recente, que tem sido utilizado, em especial no mundo pop, para gravações de álbuns e realizações de turnês. “Mas não quero ficar parado esperando. Vou aceitar toda possibilidade de me apresentar este ano, ajudar a reunir a grana. Meu caso é prova de que não se trata de talento, eu não tive uma infância musical, mas, sim, de tentar estar entre os melhores, ouvi-los, e trabalhar muito, estudar muito. Tem de correr atrás.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: