Silvio Barbato, pela música brasileira

Silvio Barbato, pela música brasileira

João Luiz Sampaio

01 de junho de 2009 | 14h35

Os sites de notícia estão confirmando a presença do maestro Silvio Barbato no vôo da Air France que desapareceu ontem à noite no caminho entre Rio e Paris. Barbato foi regente titular da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio e Diretor Artístico do Teatro Nacional Cláudio Santoro, em Brasília. Estudou composição e regência com Claudio Santoro e, na Itália, com Azio Corghi, Franco Ferrara e Romano Gandolfi. Foi diretor musical do filme “Villa-Lobos – Uma Vida de Paixão”. Nos últimos anos, estava afastado dos palcos brasileiros e dedicava-se à composição, tendo estreado duas óperas: “O Cientista”, baseada na vida de Oswaldo Cruz, e “Chagas”, sobre a vida de Carlos Chagas Filho. Além da atividade no palco, deixa estudos como as edições críticas das sinfonias de Santoro e da ópera “O Guarani”, de Carlos Gomes. Luto na música brasileira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: