Seis vezes Nelson Freire

João Luiz Sampaio

12 de julho de 2012 | 18h13

Daqui a pouco vou à Sala São Paulo ver Nelson Freire como solista da Osesp no “Momoprecoce”, de Villa-Lobos. Já escrevi isso quando a orquestra anunciou a temporada, no final do ano passado, mas repito – acho positivo que Marin Alsop, que rege os concertos desta semana, tenha de fato se dedicado a reger obras importantes da tradição musical brasileira e não apenas pequenas vinhetas e aberturas aqui e ali. Vamos ver como ela se sai. E, claro, ouvir Nelson. No começo do ano, ele comentou que quis mudar o foco de suas apresentações, deixar um pouco de lado os pilares do concerto romântico. Daí a interpretação do “Momoprecoce” (com o qual ele, aliás, participa da mini-turnê da Osesp em agosto), assim como as “Noites no Jardim de Espanha”, de De Falla, que tocou no fim de semana com a Filarmônica de Minas Gerais. Nelson gravou em fevereiro um disco solo dedicado à música brasileira, que deve ser lançado ainda este ano. Estou curiosíssimo, em especial depois de ouvi-lo há duas semanas fazendo uma das leituras mais comoventes que já ouvi do “Prelúdio” das “Bachianas Brasileira nº 4”, de Villa-Lobos, em São João del Rei. Tudo bem, era uma noite especial, concerto no mesmo palco em que ele se apresentara pela primeira vez, aos 5 anos, seis décadas atrás, com emoção carregada ao piano e na plateia – e talvez por isso a memória já esteja traindo a realidade. Mas, se for mesmo esse o caso, há algum problema? Enfim, Freire toca hoje, amanhã e sábado na Sala São Paulo e, domingo de manhã, repete o programa ao ar livre, na parte externa do Auditória Ibirapuera. E, nos dias 21 e 22, toca o “Concerto nº 20” de Mozart com a Orquestra de Bolsistas do Festival de Campos do Jordão, primeiro em Campos e, no dia seguinte, na Sala São Paulo. São seis vezes Nelson Freire. Nada mal, não?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.