No chuveiro

João Luiz Sampaio

10 Julho 2012 | 10h56

Na semana passada, assisti ao novo filme de Woody Allen, “Para Roma com Amor”. Todos com quem converso me dizem que ele é inferior a Meia-Noite em Paris, mas confesso que acho justamente o contrário. Roma é uma enorme sacanagem do diretor com tudo e todos – os italianos, os artistas de vanguarda, a mídia e, principalmente, a si próprio. E o tom caótico e absurdo da narrativa, em que o tempo flutua a todo instante entre épocas, é a cara de Roma. Mas, enfim, vamos deixar as avaliações aos críticos de cinema – aqui você pode ler os comentário dos colegas Luiz Zanin Oricchio e Luiz Carlos Merten. Para nós que gostamos de ópera, no entanto, uma tração à parte é o tenor Fabio Armiliato, no papel do agente funerário que só consegue cantar ópera no chuveiro. Seu sonho é cantar Pagliacci. E a maneira como Allen faz o sonho se realizar é impagável. No trailer, um gostinho do que se trata. Vale a pena.