Compositores, música e história na União Soviética

Compositores, música e história na União Soviética

João Luiz Sampaio

17 de abril de 2010 | 09h33

Depois de uma biografia do compositor Alfred Schnittke, marco da literatura brasileira sobre música, o pesquisador Marco Aurélio Scarpinella Bueno está lançando também pela Algol o livro “Círculos de Influência”, análise de fôlego das relações entre música e política na União Soviética, da Revolução Bolchevique às gerações Pós-Shostakóvitch. O compositor Gilberto Mendes resenha na edição de hoje do “Sabático” o volume. E eu aproveito para reproduzir aqui a orelha que escrevi para a edição, que já está nas livrarias.

shosta

“Tornou-se lugar comum ao longo da segunda metade do século 20 afirmar que a música clássica e a ópera perderam a relevância como formas de arte. Voltadas para si mesmo, elas teriam se afastado dos principais debates sociais, econômicos, políticos e culturais de nossa época. Pesquisas e livros lançados na última década, no entanto, tem sugerido realidade diversa. E hoje não apenas se aceita que os clássicos jamais estiveram alheios às principais questões do século 20 como, mais do que isso, podem servir como porta de entrada privilegiada para que se entenda período tão complexo.

Nesse sentido, a música produzida na União Soviética é um caso de estudo privilegiado. Mas, se a produção de compositores como Dmítri Shostakóvitch ou Serguêi Prokófiev dificilmente chega aos palcos sem que se fale da vida política da época, muito pouco se sabe sobre a atividade dos demais autores que precisaram, a partir da Revolução Bolchevique de 1917, dialogar com o conceito de uma ‘arte revolucionária’, entendida, nas palavras do compositor Leonid Sabaneiév, não apenas como ‘arte com temas revolucionários, mas arte que modifica sua técnica de acordo com as ideias de seu tempo.’

Compositores que atuaram como espiões; nomes celebrados pelo regime, outros perseguidos e, em alguns casos, aprisionados e mortos; autores prolíficos cuja obra até hoje não está editada – um universo rico e fascinante de personagens ganha vida nas páginas de ‘Círculos de Influência’, esta nova imersão de Marco Aurélio Scarpinella Bueno, autor de importante biografia do compositor Alfred Schnittke, no universo da música russa. E, de certa forma, os livros se complementam ao buscar a compreensão não apenas da força criativa dos autores abordados como também pela tentativa de entendê-los como frutos de uma época com a qual dialogaram de maneira ativa.

O resultado final é uma investigação múltipla. Scarpinella Bueno não trata apenas de música em seu livro, sabe oferecer um panorama amplo no qual se articulam as mais diferentes manifestações artísticas, como a poesia, as artes plásticas ou o teatro. E vai além: as histórias que narra nos falam de conquistas, tragédias pessoais, sonhos, aspirações, desespero, medos, inseguranças, frustrações. E, principalmente, do desejo humano de encontrar um equilíbrio possível entre aquilo que nos forma, que nos torna quem somos, e o mundo no qual vivemos, que nos alimenta na mesma medida em que tentamos transformá-lo.”

Tendências: