Mozart, agora em São Paulo, com Rudolf Buchbinder. E um pouco de Glenn Gould

Mozart, agora em São Paulo, com Rudolf Buchbinder. E um pouco de Glenn Gould

João Luiz Sampaio

08 de junho de 2009 | 15h52

Rudolf Buchbinder/Divulgação

Também em São Paulo o público terá chance de acompanhar nos próximos dias uma pequena maratona mozartiana. Rudolf Buchbinder vai interpretar, amanhã e quarta, uma seleção de seis de seus concertos para piano, com a Orquestra de Câmara de Zurique. Conversei com ele hoje de manhã e ele defendeu a ideia de que, vistas em conjunto, as obras de Haydn, Mozart e Beethoven são um patrimônio tão imenso que a maneira como cada época as enxerga pode ser revelador sobre a sociedade. “Essas peças são imortais, permitem relações entre nosso passado, presente e futuro.” O “Caderno 2” publica amanhã a entrevista com ele. Até lá, aqui está o balanço da cobertura da edição deste ano da Folle Journée.

O pianista Glenn Gould

Ontem, o “Cultura” publicou um especial sobre o pianista canadense Glenn Gould, por conta de uma enxurrada de lançamentos de discos, DVD, livro e por aí vai. Você acessa o abre da edição, assinado por João Marcos Coelho, aqui. Mas não deixe de ler também o texto de Luiz Zanin sobre as Variações Goldberg, de quem Gould fez duas gravações históricas, reunidas agora em uma caixa em edição nacional. João Marcos e eu preparamos ainda um especial para o portal do Estadão, em que falamos da carreira dele e comentamos suas gravações. Para acessar, clique aqui.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: