Almeida Prado, compositor (1943-2010)

João Luiz Sampaio

21 de novembro de 2010 | 11h14

Amanheci hoje com a triste notícia da morte de um de nossos maiores compositores, o querido Almeida Prado. Ele estava internado há uma semana por conta de uma parada cardíaco-respiratória. Estou correndo para o jornal para escrever um pouco sobre sua trajetória  e, no caminho, vou me lembrando de histórias, entrevistas e rápidos encontros nos quais ele sempre demonstrava uma honestidade muito grande sobre seu trabalho, seus desejos como artista e, mais do que tudo, o amor incondicional pela música. Quando se tem em mente as diversas correntes com as quais dialogou, sua produção – seja nas fundamentais peças para piano ou na escrita sinfônica – é uma porta de entrada para o que de mais importante se fez em termos de música no Brasil na segunda metade do século 20. Isso, sempre por meio de um filtro extremamente pessoal, elo a ligar as obras e formar um conjunto extremamente coerente.  Há muito mais a escrever sobre seu trabalho mas, na correria, por enquanto, deixo apenas algumas informações: o velório será realizado a partir de 12h30 no Teatro São Pedro e o enterro será às 16 horas no Cemitério da Consolação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: