Leituras de fim de semana, com Gilberto Mendes e Antonio Meneses

João Luiz Sampaio

02 Abril 2011 | 13h33

João Marcos Coelho escreve hoje no Caderno 2+Música sobre o grande Gilberto Mendes, a propósito de discos e livros em torno de sua obra. “A caminho dos 89 anos, que completará em 10 de outubro próximo, o compositor santista Gilberto Mendes é tema de dois lançamentos em CD e livro. A gravação é A Música de Gilberto Mendes – Vários Compositores Num Só, do selo Sesc, que resgata um punhado de obras importantíssimas dos anos 60 e também alcança criações dos últimos anos. E o livro é Gilberto Mendes: Vanguarda e Utopia nos Mares do Sul, de Teresinha Prada (editora Terceira Margem), que examina o período de forte engajamento político do compositor, provando que existiu uma resistência tenaz da música contemporânea à ditadura de 64”, diz o texto, cuja íntegra pode ser lida aqui. Em tempo: também no C2+Música, o violoncelista Antonio Meneses assina artigo sobre a demissão dos músicos da Sinfônica Brasileira que se recusaram a fazer a prova de avaliação. “Durante dois anos, no início da minha carreira, fui músico da Sinfônica Brasileira. Desde aquela época, voltei a me apresentar com o grupo como solista em diversas ocasiões, algumas delas sob a batuta do atual diretor artístico, Roberto Minczuk, a quem procurei em particular, recebendo de volta uma resposta insatisfatória, logo que os conflitos tiveram início. Por tudo isso, me preocupou a dimensão que o caso ganhou, inclusive internacionalmente, passando ao mercado imagem desfavorável sobre o ambiente musical brasileiro. A Fundação OSB poderia ter buscado uma maneira mais diplomática e humana de lidar com o dilema criado por ela ao impor aos artistas provas de avaliação, com toques de autoritarismo”, escreve o músico. Leia a íntegra aqui.