Heitor

João Luiz Sampaio

11 de dezembro de 2009 | 11h36

Ele chegou ontem à tarde, já envolto em música – e em todo o amor que ela nos ensina, todo o amor em que ela nos faz acreditar. Na foto, papai de um lado, mamãe de outro, ele parece que já aprendeu a sorrir. Pequenino, nem sabe ainda quantos mundos vão logo estar dentro dele. Que enxergue a vida ao lado de Bach, seja inteligente como Mozart, heroico como Beethoven, que chore ao som de Wagner. Bernstein escreveu em uma de suas canções: “Quando nasce um menino, é o mundo que renasce, e respira pela primeira vez junto com ele (…) Sempre que uma criança nasce, nem que seja naquele pequeno instante, o mundo é bom”. A canção se chama “Greeting”. Seja bem vindo, Heitor. Estamos todos aqui.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.