Diário de Salzburg: Netrebko, Beczala e um dueto de amor de três horas

Diário de Salzburg: Netrebko, Beczala e um dueto de amor de três horas

João Luiz Sampaio

23 de agosto de 2010 | 21h11

Beczala e Netrebko na cena final da ópera/ Foto de Hermann, Clärchen & Matthias Baus/Divulgação

Beczala e Netrebko na cena final da ópera/ Foto de Hermann, Clärchen & Matthias Baus/Divulgação

Não era mesmo para ser. Há dois anos, o festival preparou especialmente para a soprano Anna Netrebko e o tenor Rolando Villazón uma nova montagem de “Romeu e Julieta”, de Gounod. Ela, no entanto, ficou grávida e precisou ser substituída, ajudando a revelar para o mundo a soprano Nino Machaidze. Este ano ela, enfim, pode cantar na produção – mas agora sem Villazón, que ainda se recupera de problemas vocais que o deixaram fora dos palcos ao longo das últimas duas temporadas. Em seu lugar, o tenor Piotr Beczala. E não é que ele acabou roubando a cena?

Um experiente jornalista israelense sentado ao meu lado não se conformava durante o intervalo. Veio de Tel Aviv especialmente para ver Netrebko. “Ela havia prometido há dois anos que não faria mais esses papéis de meninas de 17 e 18 anos porque a voz estava mudando, ficando mais encorpada. Tá vendo? Bem feito, o resultado é esse. Não dá nem para entender o que ela fala.” Não achei assim tão ruim não, mas também não vim do Brasil só para vê-la, o que talvez colocasse expectativas maiores na minha cabeça, enfim. É verdade, a voz está mais escura e pesada e em alguns momentos já parece grande demais para o papel. Ainda assim, é um espetáculo impressionante: a projeção, a desenvoltura cênica, a expressividade. Uau! Mas, justiça seja feita com o colega israelense: seu francês é mesmo incompreensível. Por falar em colegas, um crítico russo que estava do nosso lado diz que ela sabe que precisa mudar o repertório, mas está com receio, afinal é sempre um risco mexer em time que está ganhando.

Agora, fiquei impressionado mesmo foi com o tenor Piotr Beczala. Eu o conheci naquela Lucia do Metropolitan, exibida nos cinemas no ano passado, um timbre bonito, agradável. Mas, ao vivo, é uma voz ainda mais especial – dicção perfeita, clareza na emissão, uma riqueza de coloridos, do agudo ao grave: é daqueles cantores que interpretam com a voz, daria para fechar os olhos e, só de ouvir, saber o que está acontecendo no palco. Uma revelação.

A montagem de Bartlett Sheer é muito bonita. No texto do programa, ele estabelece uma relação entre o Romeu e Julieta de Gounod com o Tristão e Isolda de Wagner. A argumentação é longa, enfoca o conceito de tragédia e a relação entre amor e morte ao longo do romantismo. O que interessa é a consequência cênica a que isso o direciona: a ópera se transforma, na verdade, em um longo dueto de amor entre os protagonistas, mas sem que para isso o diretor precise forçar a barra. Pelo contrário, é tudo de muito bom gosto, sutil e plasticamente muito bonito. Em tempo: a montagem original, com Villazón e Machaidze, já saiu em DVD da Universal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: