Caso OSB: O texto final da proposta de conciliação com os músicos

João Luiz Sampaio

18 Abril 2011 | 20h39

A Fundação OSB divulgou no final da tarde o texto final da proposta de conciliação com os músicos demitidos. O texto inclui algumas das principias reivindicações dos artistas, como a criação de um conselho artístico e a mudança do regimento interno, além da alteração do processo de avaliação, mas não aceita duas das condições colocadas por eles para voltar ao grupo: a demissão do maestro Roberto Minczuk e a não punição pela não participação nas provas. O texto também justifica a saída de Minczuk do Teatro Municipal do Rio, onde era diretor musical e artístico até a tarde de hoje, como um movimento no sentido de exigir também dele a necessidade de maior comprometimento que se está exigindo dos músicos. Segundo o texto, os músicos têm até o dia 25 de abril, segunda-feira, para manifestar o interesse em retornar ou não à orquestra.

Abaixo, a íntegra do texto:

Reiterando o compromisso da Fundação OSB de elevar o padrão de excelência da Orquestra Sinfônica Brasileira e considerando a necessidade de se retomar rapidamente as atividades da orquestra, o conselho da FOSB decidiu por unanimidade, após avaliar os resultados das últimas reuniões e das propostas apresentadas nas diversas rodadas de negociação:

1) Ratificar a proposta de readmissão dos músicos afastados, convertendo as justas causas em suspensão de 2 dias. O retorno imediato às funções regulares fica condicionado à realização da avaliação de desempenho, agendada para junho, nos moldes sugeridos pelos próprios músicos na reunião do dia 8 de abril, entre representantes dos músicos e do Conselho. As avaliações serão adaptadas para um formato de música de câmara, em que os músicos formarão seus próprios conjuntos e escolherão peças de uma lista de compositores do clássico ao contemporâneo, fornecida pelo maestro. Eles apresentarão dois movimentos contrastantes para uma banca composta pelo maestro, o chefe de naipe e três convidados externos escolhidos pelo maestro e referendados pelo Conselho.

2) Reabrir o prazo para sugestões dos músicos ao novo regimento interno, que, após as devidas considerações, será submetido à aprovação do Conselho. A adesão permanece facultativa.

3) Criar um comitê artístico, de caráter consultivo e de aconselhamento, que terá como objetivo auxiliar a direção artística na retomada da temporada 2011 e na indicação de propostas para a temporada 2012. O comitê será composto por: a) um musico externo, indicado pelo corpo orquestral; b) um profissional de produção artística, indicado pelo Conselho; e c) um profissional do meio acadêmico/musicólogo, indicado pelo Conselho.

4) Solicitar ao maestro e diretor artístico Roberto Minczuk seu desligamento da direção artística do Theatro Municipal, para que possa se dedicar, com exclusividade no Rio de Janeiro, à retomada da Temporada 2011 da OSB.

5) Dar continuidade às atividades regulares da OSB Jovem, que estarão concentradas neste primeiro semestre nos Concertos da Juventude.

6) O prazo estabelecido para que os músicos possam ser reintegrados o mais rápido possível às suas atividades é dia 25 de abril.

7) O Conselho espera receber comentários sobre o novo regimento interno e indicação do músico externo que fará parte do comitê artístico até 10 de maio.

A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira acredita que, oferecendo todas as possibilidades acima mencionadas, apresenta uma solução real para todo o ocorrido e abre suas portas para o retorno dos músicos que desejarem participar dessa nova fase da OSB. É importante deixar claro que a Instituição é maior que todos e o Conselho tem por missão garantir o melhor para sua perenidade e seu constante crescimento.

Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira

Em tempo, segue a contraproposta original dos músicos:
“No dia 08/04/2011, os representantes dos músicos demitidos por esta Fundação, atendendo à convocação do Presidente do Conselho Curador, Dr. Eleazar de Carvalho Filho, reuniram-se com o próprio e o conselheiro David Zylbersztajn. O objetivo seria estabelecer critérios que viabilizassem a readmissão dos 33 músicos oficialmente demitidos por justa causa e dos outros onze, atualmente, também, na iminência de demissão, por não participar do programa de “avaliação de desempenho” em março do ano em curso. Na ocasião, foi estabelecida uma pauta a ser analisada pelos 44 músicos envolvidos, servindo de base para a elaboração da proposta que estamos encaminhando para sua apreciação. Nosso objetivo, através deste documento, é contribuir para o encerramento definitivo deste período conturbado e resgatar o mais rapidamente possível a imagem da Orquestra Sinfônica Brasileira, seriamente comprometida com a negativa repercussão, inclusive internacional.Segue para vossa apreciação a contraproposta elaborada em assembléia pelos músicos demitidos da OSB: 1) Anulação de todas as penalidades atribuídas aos músicos que não participaram do programa de “avaliação de desempenho” proposto em 06/01/2011, ou seja, advertência, suspensão por um dia e a demissão por justa causa; 2) Retorno imediato do corpo orquestral às atividades artísticas, com a recondução dos músicos aos seus cargos originais, viabilizando de imediato o início da temporada 2011, já comprometida em função da substituição da OSB pela OSB Jovem, no decurso de todo o 1º semestre de 2011; 3) Revisão a curto prazo do Estatuto e do Regimento Interno, com a participação de representantes da Administração da FOSB, Comissão de Músicos e Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro; 4) Implementação de um programa de aprimoramento visando atingir metas de excelência, a ser adotado após a entrada em vigor dos novos Estatuto e Regimento Interno, elaborado pela Direção Artística em conjunto com uma Comissão específica indicada pelo corpo orquestral; 5) Retorno imediato da OSB Jovem às atividades artísticas inerentes ao seu caráter pedagógico-educacional, sem penalidades; 6) Considerando a grave crise de relacionamento existente entre o atual regente titular e os integrantes do corpo orquestral , fruto da inabilidade no trato com os profissionais sob seu comando e da evidente incapacidade de gerenciar questões relacionadas ao dia-a-dia do conjunto, solicitamos o afastamento definitivo do Maestro Roberto Minczuk das suas funções de Diretor Artístico e Regente Titular. Cordialmente, Michel Bessler, Luzer David Machtyngier, Ubiratã Rodrigues, Nayran Pessanha e Kleber Vogel.”