Clássicos brasileiros no Grammy

João Luiz Sampaio

02 de dezembro de 2010 | 14h25

Dois brasileiros estão na lista de indicados ao Grammy, prêmio da indústria fonográfica americana – nas categorias destinadas aos clássicos. O pianista Nelson Freire concorre a melhor recital solo com o disco duplo dedicado aos Noturnos de Chopin (selo Universal). É uma interpretação preciosa, símbolo da fase atual do pianista, que tem recriado o grande repertório em leituras espontâneas e bastante pessoais. Já o maestro Celso Antunes está à frente da interpretação de “Canto a Sevilla”, de Turina, com a soprano Lucia Duchonová e a NDR Radiophilarmonie (selo Haenssler Classic), que concorre na categoria melhor performance vocal (o prêmio, aqui, vai para a cantora). Há algumas semanas, nosso colaborador João Marcos Coelho publicou no Caderno 2 um texto sobre Antunes, no qual fala do disco. Outro brasileiro aparece na lista: entre os indicados ao prêmio de melhor edição e melhor performance de música de câmara está o disco dedicado pelo violonista americano Marc Régnier à obra para violão de Radamés Gnatalli (selo Dorian Sono Luminus). No mais, a lista de indicados entre os clássicos tem sinfonias de Bruckner, com Bernard Haitink; sonatas de Beethoven por Isabelle Faust e Alexander Melnikov; quartetos de cordas de Ligeti e Schoenberg, pelo Parker Quartet e pelo Fred Sherry String Quartet, respectivamente; cantatas de Bach por Harnoncourt; a Criação de Haydn por René Jacobs; a Lulu, de Berg, regida por Antonio Pappano em Londres; e, numa prova de que a indústria não perde tempo, o primeiro disco de Riccardo Muti à frente da Sinfônica de Chicago, com o Réquiem de Verdi, lançado há poucas semanas, já está indicado em várias categorias.

A lista completa está no site do Grammy.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: