Belo Horizonte, Rio, Paulínia….

João Luiz Sampaio

23 de outubro de 2010 | 12h21

Estive ontem em Belo Horizonte para assistir à estreia de “Andrea Chenier”, produção de 2006 do Teatro Municipal de São Paulo que agora ganha temporada no Palácio das Artes. Direção de André Heller-Lopes, regência de Luiz Fernando Malheiro, à frente da Filarmônica de Minas Gerais. A grande surpresa da noite foi a soprano Edna D’Oliveira como Magdalena. Estamos acostumados a boas atuações suas, mas este papel a flagra em meio a uma mudança delicada de repertório, em direção a personagens mais pesadas. Esse é sempre um momento traumático em alguma medida e há ainda algumas arestas a serem acertadas, mas Edna fez desse processo um espetáculo empolgante, musical e cenicamente convincente. Logo escrevo mais sobre a montagem no “Caderno 2” e posto aqui. Hoje cedo, vim para o Rio, onde à noite assisto “O Caso Makropoulos”, de Janácek, no Municipal, com a Sinfônica Petrobras comandada por Isaac Karabtchevsky. Estou curiosíssimo. E, amanhã, Paulínia, para ver Jessye Norman. Seus recitais no Brasil até agora têm gerado reações diversas – relatos dão conta de uma presença cênica impactante, mas nem todo mundo tem gostado de suas versões para o repertório de canções e spirituals americanos.