Algumas coisas

João Luiz Sampaio

16 de outubro de 2009 | 14h04

O site da revista “Concerto” colocou na ar hoje mais informações sobre o projeto do Ministério da Cultura para a ópera, comandado pelo maestro John Neschling. Você pode ler o texto na íntegra aqui, mas eu resumo os principais pontos: “O Barbeiro de Sevilha” percorreria 20 cidades, em mais de cem apresentações, por uma orquestra e elenco fixos, de abril a outubro do ano que vem. O custo: em vez de R$ 15 milhões, R$ 14 milhões. “Um dos objetivos da iniciativa é de levar ópera a cidades que há muitos anos não tiveram apresentações do gênero – cidades que estão ao norte de Minas Gerais –, e é aí justamente que reside uma das dificuldades, que é a precariedade de teatros na região Norte e Nordeste do país”, diz o texto.

A Fabiana sugeriu, no post abaixo, que meu texto sobre o assunto foi tendencioso – o que significa que haveria algum tipo de objetivo secreto da minha parte, algum tipo de vontade de ou atacar os idealizadores ou impedir a realização do projeto, sei lá, algo que não fosse simplesmente informar o leitor sobre um projeto que chegara à imprensa, sem detalhes, por meio de uma nota vazada pelos organizadores. A essa acusação não vou responder, pois acho que o trabalho que tenho desenvolvido ao longo dos anos tem que ser uma resposta por si só. Ainda assim, eu poderia não ter liberado o comentário dela, mas acho que a pluralidade de opiniões deve ser sempre estimulada ¬– e, mais do que isso, que ninguém está acima de críticas, tanto jornalistas quanto maestros, apesar da histeria coletiva que impede que se questione figuras da nossa vida musical.

Ao preparar a matéria, falei com todos os envolvidos. Procurei o ministério, a Funarte, cujas posições oficiais eram: “não sabemos de nada”. Conversei com pessoas ligadas às duas instituições, que me passaram os valores, seus usos e as críticas feitas a eles. Então procurei o maestro Neschling ¬– sua assessoria se recusou a passar as informações que pedi, as mesmas que agora estão publicadas no site da revista “Concerto”. Fabiana, não escondi ou maquiei dados, apenas publiquei as informações que me foram passadas. E informei aos leitores a recusa dos demais envolvidos em passar as demais informações. Mais –deixei clara a minha opinião: ainda é cedo demais para fazer qualquer julgamentos, pois faltam informações concretas sobre como vai funcionar o projeto.

Continuo acreditando que qualquer novo projeto de apoio à ópera – em especial um inédito como esse, envolvendo o governo federal, que costuma ignorar o gênero – é importante e deve ser comemorado. Isso, no entanto, em especial quando se lida com dinheiro público, não quer dizer que não deve haver debate. Independentemente dos envolvidos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: