Ainda a OSB – presidente da fundação fala sobre a crise

João Luiz Sampaio

04 Abril 2011 | 12h40

Depois do artigo do violoncelista Antonio Meneses publicado no sábado pelo C2+Música, hoje é um texto do presidente da Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira que ocupa as páginas do jornal. “No início do ano, anunciamos que todos os músicos passariam por avaliações de desempenho, que serviriam como elemento adicional ao processo de avaliação que já ocorre no dia a dia, em ensaios e apresentações. Não possuem nota de corte nem são demissionárias, como deixamos claro para os músicos desde o início. Além fornecer um feedback individual, o processo também ofereceria a cada músico a possibilidade de reposicionamento dentro dos naipes. Durante a negociação com a Comissão de Músicos e com o Sindicato de Músicos do Rio de Janeiro, um grande esforço foi feito para atender às demandas solicitadas, tais como a redução do repertório das avaliações e alteração nos prazos e benefícios do Programa de Demissão Voluntária. Ainda assim, o Sindicato dos Músicos ajuizou ações judiciais contra a OSB, perdendo em primeira e segunda instâncias. Além disso, alguns músicos passaram a difamar e a denegrir a reputação da Fundação OSB no Brasil e no exterior, com base em informações inverídicas, causando sério dano à imagem da instituição”, escreve ele.

A íntegra do texto você encontra aqui.