Editora quer resgatar a obra do escritor paraense Dalcídio Jurandir
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Editora quer resgatar a obra do escritor paraense Dalcídio Jurandir

Campanha de financiamento coletivo pretende recolocar no mercado livros do autor vencedor do Prêmio Machado de Assis em 1972

Guilherme Sobota

20 de janeiro de 2018 | 14h36

A Pará.grafo Editora, do Pará, está com uma campanha de financiamento coletivo para recolocar no mercado obras do escritor paraense Dalcídio Jurandir (1909-1979). Considerado um dos grandes autores brasileiros do século 20 por nomes como Benedito Nunes, Ignácio de Loyola Brandão e Antonio Olinto, Jurandir recebeu o Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras em 1972 pelo conjunto da obra.

A campanha pretende reeditar os livros Três Casas e um Rio e Os Habitantes, fora de circulação há décadas (uma edição chega a custar R$250 na Estante Virtual).

Clique aqui para acessar a campanha no Catarse.

Dalcídio Jurandir, em foto sem data. Foto: Pará.grafo Editora

Jurandir nasceu na Ilha de Marajó, no Pará, em 1909, e publicou seu primeiro romance em 1940, depois de trabalhar como garçom, professor, revisor e jornalista em Belém, no Rio de Janeiro e na própria Ilha. Comunista declarado, enfrentou perseguição política e foi preso nos anos 1930.

Segundo a Enciclopédia Itaú Cultural, a obra de Dalcídio se destaca pela “complexa construção interior de seus personagens, individualizando a trama e valorizando as transformações pessoais em seus romances”.

A Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, é sede do Instituto Dalcídio Jurandir, com todo o seu acervo particular, com mais de 750 livros de sua biblioteca, além de suas correspondências com Jorge Amado, Graciliano Ramos e com o pintor Cândido Portinari.

Três Casas e um Rio foi lançado em 1958, com capa de Portinari, e teve outras duas edições, sendo a última em 1994. É o terceiro livro do chamado Ciclo do Extremo-Norte, série de romances que acabou lhe rendendo o Prêmio Machado de Assis.

Os Habitantes, de 1976, nunca foi reeditado.

Imagem do novo projeto gráfico dos livros

 

Tudo o que sabemos sobre:

Literatura brasileira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.