3 poemas-protesto para o Brasil de ontem e hoje

Antologia ’50 Poemas de Revolta’ traz textos clássicos de autores consagrados e poesia nova de nomes contemporâneos para discutir problemas sociais

Guilherme Sobota

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar a partir de R$1,90

O fim de ano chegando, as listas de melhores livros de 2017 começando a aparecer e as tretas do meio literário no Twitter a todo o vapor. Mas uma nova antologia, 50 Poemas de Revolta (Companhia das Letras), reúne textos sobre problemas de verdade do Brasil (ou da Somália, como no tocante poema de Tarso de Melo reproduzido abaixo, com outros dois do livro), como o racismo, o machismo e a desigualdade social.

São 34 poetas, um texto inédito (da carioca Yasmin Nigri, que terá seu primeiro livro, Bigornas, publicado em 2018 pela Editora 34), e um passeio rápido e pela poesia brasileira.

Foto em Bonito de Minas (MG), de setembro de 2014. Dados do Censo 2000 e 2010 diagnosticaram a cidade como o município que mais diminuiu sua desigualdade social entre a população. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Num curto prefácio (Toda poesia é política?), os editores afirmam que “quando o poeta lança seus dados em resposta às notícias de jornal, a política aparece não apenas como um dos componentes que definem o gênero poético, mas também como temática do poema. Com profundo desejo de transformação, os versos se rebelam contra as mazelas sociais e conquistam alta voltagem de mobilização. É uma poesia engajada, indignada, insubordinada”.

“Alta voltagem de mobilização” é uma expressão que pode ser debatida quando o assunto é poesia, mas vale o crédito.

+ ‘Transpassar’: quatro poemas para comemorar o aniversário de São Paulo

Entre os autores do livro (que vêm numa edição prática, pequena, de bolso), estão Adelaide Ivánova, Angélica Freitas, Conceição Evaristo, Chacal, Carlos Drummond de Andrade, Torquato Neto, Francisco Alvim, Hilda Hilst, Roberto Piva, Carolina Maria de Jesus e Vinicius de Moraes.

Leia abaixo três poemas de ’50 Poemas de Revolta’:

Descobrimento 

Abancado à escrivaninha em São Paulo

Na minha casa da rua Lopes Chaves

De supetão senti um friúme por dentro.

Fiquei trêmulo, muito comovido

Com o livro palerma olhando para mim.

Não vê que me lembrei que lá no norte, meu Deus! muito longe de mim,

Na escuridão ativa da noite que caiu,

Um homem pálido, magro, de cabelo escorrendo nos olhos,

Depois de fazer uma pele com a borracha do dia,

Faz pouco se deitou, está dormindo.

Esse homem é brasileiro que nem eu…

(Mário de Andrade)

***

Não digam que fui rebotalho,

que vivi à margem da vida.

Digam que eu procurava trabalho,

mas fui sempre preterida.

Digam ao povo brasileiro

que meu sonho era ser escritora,

mas eu não tinha dinheiro

para pagar uma editora.

(Carolina Maria de Jesus)

***

Somália

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

111

112

113

114

115

116

117

118

119

120

121

122

123

124

125

126

127

128

129

130

131

132

133

134

135

136

137

138

139

140

141

142

143

144

145

146

147

148

149

150

151

152

153

154

155

156

157

158

159

160

161

162

163

164

165

166

167

168

169

170

171

172

173

174

175

176

177

178

179

180

181

182

183

184

185

186

187

188

189

190

191

192

193

194

195

196

197

198

199

200

201

202

203

204

205

206

207

208

209

210

211

212

213

214

215

216

217

218

219

220

221

222

223

224

225

226

227

228

229

230

231 mortos

e outros 275 feridos

no atentado com 2

caminhões-bomba

em Mogadíscio

vão restar, quem sabe,

esses números

limpos e indistintos

contra a montanha

de corpos destroçados

mas a imprensa não dirá

“veja quem são as vítimas

do atentado na Somália”

com fotos de família

e informações familiares

alguns de nós

virando rápido a página

ainda perguntarão:

“se lá ninguém vive,

como é que alguém morre?”

enquanto morremos

também

(Tarso de Melo, publicado originalmente em 15 de outubro de 2017 numa plaquete da Alpharrabio Edições)

50 POEMAS DE REVOLTA

Vários autores

Editora: Companhia das Letras (144 págs., R$34,90)

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato