Por isso que eu gosto do Los Hermanos

Estadão

02 de setembro de 2006 | 01h15

“Então galera, vamos superar essa fase” foi a resposta de Marcelo Camelo aos gritos insistentes de “Pierrot”, música do primeiro disco do Los Hermanos. “Tem uma frase no disco do Arnaldo Baptista, Let It Bed, que traduzida diz assim: ‘Vamos dar uma chance ao suficiente'”, emendou Rodrigo Amarante. “Não precisa ser o máximo, basta ser suficiente.” Na sequência começou a tocar “O Vento”, hit do último disco. E o Citibank Hall voltou a pular e a cantar como é de rigor em shows da banda.

Depois da música, Amarante voltou a falar. “Vocês não acham estranho essas casas de show que ficam mudando sempre de nome? É não sei o que Hall. Antes os teatros recebiam o nome em homenagem a grandes artistas.” “Então aqui devia chamar sala Rodrigo Amarante?”, pergunta Camelo. “Para mim aqui vai ser sempre o Palace”, responde Amarante.

Depois desse breve falatório o show seguiu ótimo, com a banda tocando principalmente músicas do Ventura e do 4. É justamente por ser uma banda sem frescuras que eu gosto do Los Hermanos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: