O futuro do negócio da música, por João Marcello Bôscoli

Estadão

19 de outubro de 2010 | 18h05

607beatles_lap.jpgDo ponto de vista da produção musical, os preços dos equipamentos e instrumentos continuaram baixando, permitindo o acesso cada vez maior de artistas ao processo de gravação de suas obras. Hoje, já há mais tecnologia disponível em um simples laptop do que os Beatles jamais acessaram. E não era assim. Antes da revolução digital, os preços eram uma barreira difícil de transpor.
Quanto ao negócio de música, creio que a presença das marcas financiando o processo seja uma tendência natural, assim como ocorreu com jornais, revistas, tv e rádio, por exemplo. Música está presente onde nunca esteve (telefones, computadores, games, etc) e continuará sendo uma paixão humana. O modelo econômico surgirá.

João Marcelo Bôscoli é músico, presidente da Trama, e comanda o programa de R&B Música Urbana, na Rádio Eledorado, todas as sextas, às 23h.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: