SP ganha novo espaço pet friendly nos Jardins
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

SP ganha novo espaço pet friendly nos Jardins

Cris Berger

08 de novembro de 2021 | 09h00

A capital paulista acaba de ganhar um novo espaço pet friendly com cerca de 800 metros quadrados, em plena Alameda Gabriel Monteiro da Silva (número 225), nos Jardins. A Ella (minha sócia pet no blog e no Guia Pet Friendly) foi o primeiro cão a conhecer o Templo da Zee.Dog, pois esteve na coletiva de imprensa realizada um dia antes da abertura para o público, no último sábado (6). 

Ella no Templo da Zee Dog. Foto Cris Berger/Guia Pet Friendly

O Templo

Um retângulo branco virado para cima. Assim é a arquitetura do Templo, que se destaca por ser minimalista e combinar com um dos quadriláteros mais nobres de São Paulo. Brilha aos olhos de quem curte design e acredita que os melhores locais devem aceitar pets. São quatro andares. O primeiro e o quarto, os mais divertidos. 

Na verdade, o primeiro pode ser considerado um subsolo semi-‘aberto. Ele fica fora do prédio principal. Você desce alguns degraus e chega no Park Zee.Dog – ou, em bom português, no cachorródromo. São 160 metros quadrados com solo de track and field. Parece uma quadra poliesportiva. É lindo. Perguntei como vão lidar com o cheiro de xixi, que costuma ficar bem forte depois de um tempo de uso. Eles estão apostando no solo abaixo do principal e nas mangueiras, que ficam à vista, que diariamente serão usadas para escoar a urina. Parece promissor, estou curiosa para ver se funciona porque isso vai ajudar muitos pet plays que enfrentam o problema de cheiro ruim. 

Para os tutores socializarem entre si, enquanto os cães gastam energia e se divertem, foi construída uma arquibancada de cimento queimado. Ela não é coberta, mas o restante do espaço sim, o que permite ir em dias de chuva. “Eu acredito que um treinamento básico ajuda desfrutarmos mais dos cachorros, por isso, criamos esta arquibancada também para palestras. Temos o plano de replicar o Zee.Dog Park em outros locais”, comenta Pedro Zunzunegui, Cofundador e responsável pelo desenvolvimento de produtos Zee.Dog. 

Cris Berger e Ella no Park Zee.Dog. Foto Cris Berger/Guia Pet Friendly

Para segurança dos pets, ao entrar e sair há uma porta dupla. Os cães podem ficar sem coleira, pois o Park é cercado, mas é fundamental que sejam sociáveis com outros frequentadores e você deve estar presente o tempo todo. 

Sala de banho

Ainda no Park, há uma sala de banho para os pets. Logo na entrada, presa na parede, você encontra uma tela onde pode escolher a música que deseja ouvir. É um pet (ou família) por vez. A ideia é proporcionar um momento de intimidade entre você e seu cão. Como eu dou banho na Ella no chuveiro de casa e não troco este momento por nada, pois adoro, amei este espaço com azulejos pretos e figuras geométricas e néon cor-de-rosa.

No The Washing Station, como é chamado, você tem uma capa para colocar em cima da roupa e tentar sair seco, o que eu duvido que aconteça. Além de chuveirinho, soprador, tapete antiderrapante, uma pequena bancada que abre e fecha e xampu e condicionador. Não há toalhas, então leve a sua. Os banhos serão agendados pelo app e o espaço não é cobrado.

Por dentro do Templo

No segundo e o terceiro andar, dentro do prédio principal, são expostos os produtos da Zee.Dog e também de empresas parcerias, as tais collabs. Já dá para encontrar a curadoria exclusiva de produtos da Asics, On Running, New Balance e Vans. Se no segundo andar as paredes são pretas e a luz é baixa, no terceiro o branco ganha destaque e o umbral das portas é recortado. São andares conceituais, você verá.

Finalmente, no quarto andar está o rooftop com uma vista empolgante do skyline paulistano. Por ali há mesas e um bar da Budweiser. O muro é alto, seguro para os pets, e os vasos de plantas fazem do ambiente um refúgio verde em meio ao concreto urbano. Já o coloquei na lista de locais para curtimos uma happy hour com os pets em dias de tempo bom, pois não há cobertura. Também espere encontrar shows e encontros culturais neste espaço.

“Faltava um templo da marca, um lugar para a comunidade não apenas comprar os produtos”, explica Thadeu Diz, fundador e Diretor Criativo da Zee Dog. 

O que é a Zee Dog

E para quem não conhece a Zee Dog, que acaba de ser comprada pela Petz que hoje tem a maior rede de petshops do Brasil, aqui vai uma rápida apresentação: ela nasceu como uma marca de coleiras para os pets quando não tinha nada descolado no mercado. Acertou ao usar a frase “connecting people and dogs” (na tradução do inglês para o português, conectando pessoas e cachorros) e virou febre.

Incrementou o portfólio de produtos com moda para humanos e, em 2019, lançou o aplicativo Zee Now, uma pet shop virtual em que não há taxa de entrega e o pedido chega rápido. Logo mais, eles apresentam ao mercado o Zee Dog Kitchen, que nada mais é do que alimentação natural (AN) para os cães em potes de vidro.

 

Tudo o que sabemos sobre:

animal de estimaçãosão paulo-cidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.