Pet nutella ou roots?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pet nutella ou roots?

Cris Berger

14 de dezembro de 2020 | 03h00

Nutella ou roots? Seu pet é do tipo sombra e água fresca ou poderia fazer uma ponta nos filmes de Indiana Jones? Esse é o primeiro diagnóstico a ser realizado antes de decidir em qual hotel ou pousada você deve se hospedar com ele.

Cães “sombra e água fresca”, que eu chamo de “nutellas”, são curingas: todos os tipos de hospedagem funcionam para eles. Tranquilos, adaptam-se rapidamente e não necessitam de grandes atrações como trilha e piscina. Já os “roots”, que têm energia para dar e vender, necessitam de uma série de atividades para não ficarem ansiosos. Chega a ser maldade exigir que um cão hiperativo fique sentado por horas ao lado do seu tutor  em uma espreguiçadeira de hotel. A chance de dar errado é imensa. Ele provavelmente vai roer o que estiver ao seu alcance, latir e não parar quieto. As pessoas ao redor podem, com razão, se incomodarem.

O que fazer em uma situação como essa? Escolher um hotel que ofereça atividades para os pets ou cansá-lo bem antes de obrigá-lo a ficar “de boas”.

Enquanto a nutella Ella (minha sócia na coluna) cansa facilmente e fica horas deitada no seu colchonete, os amigos dela Beethoven, Troy e Lisa, que são ligados no 220 volts, precisam de espaço para correr e uma piscininha para nadar. Nem todos os cães são para todos os locais pet friendly – e ao entendermos quem é nosso pet e o que é bom para ele, as chances de errarmos diminuem dramaticamente.

Lisa, Beethoven, Troy e Ella na pousada Pegada da Onça que tem piscina para os pets. Foto Cris Berger/Guia Pet Friendly

Quando criamos a Universidade Pet Friendly e começamos a dar assessoria para os estabelecimentos, diagnosticamos o medo que muitos deles tinham de aceitar cães e terem problemas com os demais hóspedes. Foi, então, que criamos os perfis nutella e roots, pois o mais importante é deixar claro o tipo de pet para cada proposta de hospedagem. Não é uma questão de limitar o porte aceito ou os locais de acesso dos pets nos hotéis, mas explicar o que eles têm para oferecer.

Os “pais e mães” de pets não querem ficar longe de seus filhos peludos e, por isso, é um grande erro limitar o acesso deles ao café da manhã e áreas de lazer. Assim como é um equívoco classificar o bom comportamento de um cão baseado no seu porte. Se os humanos entenderem e educarem seus pets e os estabelecimentos os receberem com acessibilidade, todo mundo sairá ganhando.

É JORNALISTA, FOTÓGRAFA E AUTORA DO GUIA PET FRIENDLY

Tudo o que sabemos sobre:

petanimal de estimaçãoviagemcachorro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.