Pet na cama pode?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pet na cama pode?

Cris Berger

22 de fevereiro de 2021 | 03h00

Seu pet dorme na cama? A Ella (minha sócia pet na coluna) sim e eu adoro! Só parei para pensar no assunto quando meu namorado confessou que se incomodava em ter um cachorro na cama. Minha primeira reação foi responder: luta perdida, a Ella seguirá na cama. Depois refleti e achei que valia a pena olhar com mais atenção e encontrar um caminho do meio, que obviamente a manteria no posto de sempre: em cima da cama.

Resolvi, então, escutar seus argumentos: os cães pisam no chão sujo e sobem onde a gente dorme. Verdade, ele tinha razão. Problema que seria resolvido passando um lenço umedecido nas patinhas. E quando deitam em um local sujo? Um banho a seco no corpo todo resolve. E para reforçar os cuidados com a higiene, uma manta no espaço que o pet deve ficar ajuda a manter o lençol limpo. Por último, não há espaço suficiente. Compra-se um colchão maior, um king size, de preferência.

Patinhas limpas, banho a seco e um espacinho só pra Ella. Foto Cris Berger/Guia Pet Friendly

Estudos mostram que estar próximo de um cachorro traz segurança e conforto. Às vezes, encosto uma parte do meu corpo no da Ella ou pego a sua patinha com a mão, pois sinto tranquilidade e sei que isso é a ação da ocitocina no meu cérebro. Para quem não sabe, é o mesmo hormônio que é liberado quando as pessoas se apaixonam. E também está associado a ondas cerebrais theta, presentes no sono.

A médica veterinária Natalia Ardizon, da clínica Salute Animale, lembra da importância de antipulgas e vermífugos estarem em dia para dividir a cama com seu pet. “Os benefícios são muito maiores do que os malefícios. Cria-se uma harmonia, um momento de relaxamento entre tutor e pet”, comenta Natália. Ela também destaca os cuidados com os animais pequenos na hora de subir e descer da cama e dos mais velhos, com problemas articulares. Para estes casos, escadinhas resolvem.

Outro argumento que usei para defender a presença da Ella em cima da cama foi: ela está acostumada, faz isso há seis anos, não posso simplesmente mudar seu hábito do dia para noite. O melhor caminho é buscar informação, limpar as patinhas e pelo, delimitar a área que é do pet e, no meu caso, fazer com que a Ella conquiste seu coração (o que cá entre nós, é muito fácil de acontecer). O que não tem solução são os roncos da sharpeizinha: a Ella ronca alto!

É JORNALISTA, FOTÓGRAFA E AUTORA DO GUIA PET FRIENDLY

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.