Como é se hospedar com um pet no Palácio Tangará, em São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como é se hospedar com um pet no Palácio Tangará, em São Paulo

Cris Berger

07 de junho de 2021 | 00h03

O Palácio Tangará é um refúgio urbano. Localizado no bairro do Panamby, na capital paulista, fica praticamente dentro do parque Burle Max – faz divisa com ele. É verde para todos os lados. A sensação de estar fora de São Paulo é latente. E, nesses dias de pandemia, como é bom sair de casa sentindo que está em segurança e quebrar um pouco a rotina, mesmo estando na cidade. Claro, com a companhia indispensável do seu pet.

Vocês podem ir juntos almoçar ou jantar no restaurante Pateo do Palácio, que atende os hóspedes e também o público externo (o hotel conta ainda com o Tangará Jean-Georges, exclusivo dos humanos). Em um jardim retangular, com fonte no meio, plantas e flores, há mesinhas e ombrelones respeitando a distância de dois metros entre elas. A proposta é vida ao ar livre. Nada mais atual. A vista para o paredão verde do parque, a partir das mesas próximas da escadaria que levam à piscina, faz bem aos olhos e acalma a alma.

A partir de julho, os pets terão um serviço VIP com cardápio pet, gancho para prender a guia da coleira, pote de água e caminha para relaxar enquanto fazemos as refeições. O que era bom ficará perfeito para nós que fazemos questão absoluta de colocar os pets no programa.

Quem estiver hospedado no hotel terá regalias extras, como o kit pet – no qual a caminha dos hóspedes peludos imita a do humanos, com cabeceira de capitonê, lençol bordado e minitravesseiros, um deles em formato de ossinho. Além do jogo americano com potes de água e de comida em cima. Nos apartamentos do térreo há um pequeno quintal com plantas e sem rota de fuga para os vizinhos. Ah! E, claro, no cartão de boas-vindas, espere encontrar o nome do seu pet.

Ao lado da piscina, um dos grandes cartões-postais do Tangará, há um jardim com árvores, plantas, tendas, espreguiçadeiras e graminha reservado para os hóspedes com pets.
Foi-se o tempo em que os hotéis pet friendly eram sem graça. Também ficou no passado nos contentar com o pior quarto. Agora, podemos dizer que nossos filhos peludos têm à disposição os confortos que nós e eles merecemos. 

CRIS BERGER É FOTÓGRAFA, JORNALISTA E AUTORA DO GUIA PET FRIENDLY

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.