O que fazer quando nosso cachorro não é bem-vindo?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O que fazer quando nosso cachorro não é bem-vindo?

Cris Berger

20 de setembro de 2021 | 03h00

O escritor gaúcho Luis Fernando Verissimo disse, certa vez: “desconfie de quem não gosta de cachorros”. É claro que eu adorei essa frase. Mas o que fazer quando nosso pet – considerado filho – não é aceito pela família ou por amigos queridos? Enquanto estamos entre pessoas que gostam de cachorros, tudo é fácil. O desafio é lidar com quem proíbe a presença dos nossos pets em uma ocasião social.

Se o animal não é bem-vindo, uma dica é transferir o evento para sua casa. Foto Cris Berger/Guia Pet Friendly

A psicóloga Sônia Russo dá algumas dicas e levanta questões importantes sobre o tema: “Temos que respeitar as regras do próximo e entender que sentir-se magoado ao receber um ‘não’ é natural. Saber lidar com a frustração é fundamental. Uma vez que nossa postura é de respeito à opinião alheia, a possibilidade de negociação se abre”.

Antes de mais nada, ela aconselha olharmos para o pet e avaliar como ele reage em novos lugares. E, claro, entender as razões da outra pessoa: por que ele não é aceito? Ele faz xixi fora do lugar? Late sem parar? Suja? Solta pelos? Rosna ou morde?

Por outro lado, o que você pode fazer para amenizar situações que podem tornar-se conflito? Vou dar algumas ideias do que fazer antes e durante uma visita: dê um longo passeio para cansá-lo e esvaziar a bexiga. Coloque uma fraldinha, por segurança, se ele for do tipo que gosta de “batizar novos lugares”.

Limpe as patinhas com lenço umedecido antes de entrar. Leve um brinquedo para mantê-lo ocupado e amenizar qualquer ansiedade, além de um colchonete para delimitar o espaço que ele pode ficar. Mantenha-o na guia, sob os seus comandos, o tempo todo. Se for o caso, a longo prazo pode valer a pena investir em um comportamentalista animal para corrigir atitudes indesejadas.

Vamos considerar que seu pet foi educado e sabe se comportar. Neste caso, Sônia sugere que você explique ao parente ou amigo que não há com que se preocupar. Garanta que ele é dócil e tranquilo. Ainda assim, lembre-se que ele é um cão, portanto, você deve mantê-lo sob o seu comando.

E quando seu cachorro faz tudo certinho e, ainda assim, é “barrado no baile”? Que tal transferir a programação para a sua casa e provar que seu pet tem educação britânica? O mais importante, diz Sônia, é explicar que ele é família para você e sua presença é muito importante. Abra o coração e boa sorte.

É JORNALISTA, FOTÓGRAFA, E AUTORA DO GUIA PET FRIENDLY

Tudo o que sabemos sobre:

animal de estimação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.